segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

O Coração E A Alma - Verônica Mell

Miconos - Grécia
   

                   A alma põe-se a vagar,
                   conta as estrelas do céu,
                   guarda em cada uma
                   os sonhos desejados.
                   Mas,a tristeza profunda
                   caminha vagabunda ...
                   Fazendo a alma chorar !

                   Se aquieta coração,
                   arquiteta um plano.
                   No peito, a nobreza
                   deixa. Com certeza,
                   tudo vai melhorar.

                   Canta prá a alma triste !
                   Diga-lhe com sutileza :
                   - O tempo é um santo remédio
                   que cura os males do mundo,
                   do mais leve ao mais profundo.
                   A ferida?! Há de se curar!

                    Pega uma estrela do céu
                    prá alumiar o caminho
                    da pobre alma sem rumo .
                    Apaga a tristeza dos olhos,
                    não conta toda a verdade.

                     Ah! Coração !
                     Sua alma tão calada,
                     chora quase de um nada.
                     Forte melancolia,
                     percorre seu dia !
                     Vai pela noite ...
                     Diz uma doce mentira
                     que da saudade a tira.

                     Ah! Coração !
                     Não se entregue
                     ao pranto da alma .
                     Isso lhe faz mal,
                     não o acalma.
                     Pode até o matar!

                     Muda o rumo do olhar,
                     escreve outra história.
                     Aventura-se...
                     Evoca uma bela canção,
                     embala os sonhos.
                     Se cuida coração !
                     A noite que vem calma,
                     alivia a dor da alma ...
                                       

                                         ( dezembro 2016)

sábado, 10 de dezembro de 2016

Teatro De Variedades - Verônica Mell

Praia Preta - Santorini - Grécia



           Num palco de variedades,
           no teatro da vida...
           desfilam os atores.
           Representação cênica
           de postura civilizada,
           chamada educada.

           Beijinhos cá e... lá...
           Fachada de harmonia,
           meu amigo.
           Grande ironia,
           no contexto social!
           Ai de quem sair da linha,
           vai dar-se bem mal !

           A sorte lançada,
           o papel vem pronto,
           nada abusivo!
           Seja como tantos.
           Subversivo?!
           Será fatal...
           Autenticidade!
           Qual "o quê" da verdade?!
           Sem  resposta satisfatória,
           continua-se a jornada.

           Qual a missão?
           Sem compreender
           vamos no mesmo trem
           e, compartilhamos,
           algumas das vezes,
           o mesmo vagão,
           até assentos próximos.
           Cada um descendo
           numa  estação
           em tempos diferentes!

           Cai-se o pano...
           cerram-se as cortinas,
           apagam-se as luzes.
           Por que parece
           que nadamos
           contra a correnteza
           em alguns dias?
           Seguindo numa nau
           sem rumo...
           Cadê o porto seguro?!
           Cadê a utopia!!!

                              (dezembro 2016)


         
         
         




segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Janelas Abertas - Verônica Mell

Saint Paul da Vence - França
         


         De janelas abertas
         desperta a alma,
         contempla o azul.
         O olhar no infinito
         perde-se...
         na manhã manhosa
         da cidadela !

         Um suspiro profundo
         vem de encontro ao belo.
         Há magia escondida
         em tudo...
         ou ,em quase nada!

         História?!.. .Muita.
         Muitas histórias!
         Encanta-se o coração,
         perde-se a razão.
         A emoção flui!
         Há de quedar-se
         aqui por horas...
         Noites e dias
         numa comunhão
         que transcende :
         a época e o lugar.

         Tudo é possível
         com o olhar d'alma!
         Quebram-se os silêncios,
         sente-se o pulsar do coração
         que bate forte pela vida ...

                             ( novembro - 2016 )


sábado, 29 de outubro de 2016

Elegia A Saudade - Verônica Mell

Museo Larco - Peru
         
       Dos tantos milagres
       da minha vida...
       aí está você, filha!

       Quando a vida
       fez uma curva
       e a lente ficou turva,
       Abriu -se outras portas!
       Do meu jardim excluí:
       as folhas  mortas...

       Dias bem azuis,
       caminhos coloridos...
       Nos de chuva ou doridos
       ao vê-los dormindo,
       das mazelas ficava eu imune.
       Tanta coisa vem e se reúne!

       Minh'alma adentra
       os dias de outrora ...
       Momentos a me alcançar,
       outros saem a debandar...
       Abençoada eu, por tê-los
       nem acredito ao vê-los!


       Meu bebe lindo...
       Hoje... linda mulher!
       Quando cresceu?!
       Eu não vi...
       as vezes quero
       a menina de volta.
       Mãe é controversa!

       Hoje é seu dia,
       chega de conversa.
       Vamos sem horário,
       andar de braços dados.
       É dia de festa...
       Feliz aniversário!
       Saúde,paz e amor.

       Grandes projetos
       e muitos dias
       de sonhos repletos!
       Que a Luz seja seu guia.
       Sonhos e Esperança,
       reza a cartilha.
       Minha eterna criança!!!
     
                                     (29/10/2016)

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Se Você Soubesse -Verônica Mell

Museu Larco - Lima
       
           Queria que você soubesse
           quanto do amor eu lhe tenho!
           Do nada a saudade aparece,
           sem esforço ou empenho...

           Queria que soubesse,
           veio de graça...
           lá do fundo d'alma.
           E, por mais que eu faça,
           não se vai ...
           Nada passa!

           Queria que soubesse
           vem de séculos,
           já estava escrito!
           Com o tempo,
           alguns sonhos,
           a vida sombreou.
           Quando adormeço,
           cavalgo ...
           Outros mundos!
         
           Queria que soubesse,
           gostaria de lentes
           bem mais coloridas,
           para fixar o que a vida
           me roubou...

           Queria que soubesse
           que está acima
           do bem e do mal
           o amor que lhe tenho.
           Perdi-me tão triste ...
           num poema!
           Aqui venho ...
           nas palavras não ditas
           ficou só o silêncio.
           Inquietações!
           Longe de mim :
           o sol .
           Só queria...
           que você soubesse!!!

                         ( outubro 2016 )

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Perder-se Em Paris... Verônica Mell

Rio Sena - Paris
   
             Vou à Paris...
             Diga amiga,
             o que me diz?
             Quando...?!
             Ainda não sei!
             Não há quem resista
             ao seu antigo charme.
             Nem tristeza que persista!

             Saudades?! Muitas,
             das margens do Sena!
             Assistir à dança do rio
             ao anoitecer,
             com a luz de rua
             refletida em suas águas,
             na noite de lua.
             O brilho das janelas,
             as luzes dos barcos.
             Ah! A Torre Eiffel!
             Mágica ao entardecer.

             A Champs Élysées,
             Galerias Lafayette.
             Não é "démodé",
             " de magnifiques vitrines!"
             Andar pela Pont St-Louis,
             Canal St. Martin...
             Bebericar bons vinhos!

             Visitar Montmartre
             que respira arte.
             Ver os pintores,
             as obras na praça.
             Sentir os aromas
             e, os sabores...
             Com o champanhe,
             na taça...
             olhar quem passa!

             No Jardin des Tuileries,
             parar para o descanso.
             Visitar o Louvre,
             Sacre Coeur,
             Notre Dame,
             Musée d'Orsay...
             Château de Versailles,
             nos arredores
             e,as flores que o colore!
           
             Amo tudo isso!
             Vagar pela noite,
             você sabe disso.
             Ouvir da oficina,
             " La Vie à Rose ",
             que vem da esquina.
             "Et mille petites choses
             que je ne porrais explique."
             "J'aime Paris..."
             e, todas as pequenas coisas
             que eu não sei explicar!

             Meu caso de amor é antigo:
             Paris e eu ...
             Há muito não sou calouro,
             festejo bodas de ouro!
             Até breve, "mon revê!"
             Au revoir
             et à bientôt !
             Bonne Nuit Paris!!!
         
                       (outubro 2016)

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Perambulando - Verônica Mell

Pueblo de MachuPicchu
   
           Vamos dar uma volta,
           olhar tudo em volta.
           Contar as estrelas,
           ao vê-las.

           Vigiar a lua,
           andar pela rua
           quieta...calada.
           Só isso,mais nada!

           Ficar de bobeira,
           não noite faceira.
           Nada nos prende aqui!
           O agora nos enlaça,
           me abraça...

           Ir além dos "brasis",
           pelo mundo...
           Perambular a fundo,
           há muito que ver.
           Tentável, pode crer!

           Não são bobagens,
           as novas paragens.
           Fotografar a chuva,
           o sol e o arco-íris.
           Dilema inevitável!
           É o que se faz :
           o sonhável,quando vira
           encantamento.
           Clicar no momento!

           Deu na cachola,
           não enrola.
           "A dança das horas"
           não para...
           É o que se leva,daqui!
           Vem... Vem logo daí!

           Ei!...diga sim,
           gastei eu, meu latim!
           Feliz?! Sei...
           Suba  no trem,sem desdém,
           se lhe apraz?!
           É o que se faz.Vem-vem...!
         
                      (outubro 2016)
         

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Máscara De Palhaço - Verônica Mell

Parque Reducto - Lima


        O dia é incrível!
        Esqueçamos as amarguras,
        Palhaço das minhas alegrias.
        Recordar... Recordar as piruetas
        Da infância dos meus dias.
        Palhaço de risos loucos,
        Nos momentos poucos,
        Das hilariantes fantasias
        No mundo mágico...
        De outros tempos.
        Dilatando o riso,
        Nos rostos espantados,
        Ao lamber o chão vezes tantas,
        Tantas vezes... Incontáveis.
        Pródiga" figura de palhaço!"

       Sua máscara de pintura
       Tem a alma mais pura
       Que gostam meus olhos
       De ver...
       A gente aqui,pode crer,
       Não pinta as faces.
       Mas cria não nasce,
       Com máscaras...
       Tão naturais
       De pobres mortais!
       Máscaras de amor
       Em faces de desamor.
       Máscaras de amigo
       Em faces de inimigo.
       Máscaras de candura
       Em faces escuras.
       Máscaras de encanto
       Em faces de desencanto.
       Máscaras de lirismo
       Em faces de egoísmo.

      Sabe palhaço,
      Criamos nossas máscaras
      Com o tempo.
      Sem perceber,
      A criança de todos nós
      Começa a morrer.
      Perde-se o viço,
      O sonho,a esperança,
      A bravura quixotesca;
      A simplicidade do amor.

     E são máscaras tantas!
     Máscaras mil.
     Máscaras inúteis,
     Máscaras patéticas!
     Algumas máscaras ,
     Mascaradas num contexto,
     Sem máscara-texto.
     A encenação...
     De máscaras coradas
     Em faces desbotadas,
     Para uma platéia
     De  MÁSCARAS EMOCIONADAS
     EM FACES SEM NADA!!!

                 (do livro "Retrato,Breve Como o Vento"- Verônica Mell - 1996)

domingo, 11 de setembro de 2016

Dualidade - Verônica Mell

Ville de Honfleur - Normandia - França

       
             De jeito muito quieto,
             Sonhador,contemplativo.
             Um ser introspectivo,
             Aceita. Não reclama.
             Apenas observa...
             Outro mais ardente.
             Que reside no primeiro.
             Com voz firme esbraveja:
             Quer liberdade,
             Voos livres!
             Sem freios,
             Nem amarras,
             Como um fogo de vulcão,
             Deixa marcas, onde passa.
             É sentida nessa dualidade,
             A falsa moral. A sociedade
             Com normas pré-fixadas,
             Tornando-o passional...

                 ( do livro :"Retrato, Breve Como o Vento"- Verônica Mell - 1996 )
     

domingo, 28 de agosto de 2016

Carrocel - Verônica Mell

Myconos - Grécia

                        Inspiração vem calma.
                        alimenta minh'alma.
                        Fala do amor o intento,
                        sem promessas ao vento.

                        Que saudade é essa?
                        Que horas sentimentais!
                        Idéias vagas...
                        no espaço da lembrança.
                        Pergunto ao querubim:
                        - O que traz prá mim?!
                        Os sonhos guardados,
                        pulam das gavetas.
                        Os xeretas...
                        desfilam no silêncio,
                        rodando em ciranda.
                        Escolha você mesmo,
                        diz um deles.
                        Deixa os outros,
                        para depois...
                        Divago... divago,
                        não quero mais nada.
                        Só a felicidade!
                        É noite...
                        rota de silêncio.
                        Desencanto:
                        carrocel de melancolia!

                                    (agosto 2016 )

                     

                 
               

                       
                 
           
                     
               

sábado, 27 de agosto de 2016

A Bucólica Serra De Santo Antonio - Verônica Mell

Serra de Santo Antonio - Alcanena - Portugal
         

                  A  Serra de Santo Antonio
                  acordou... e,bem cedo!
                  Oh! Menino! Venha!
                  A Serra começou
                  a levantar-se...

                  Agora,lava o rosto,
                  venha pentear-se.
                  Fica bem posto!
                  Toma café com pão,
                  anda logo... Venha!
                  Pega seu irmão,
                  é hora da escola.
                  Não demora,
                  leva a sacola.
                  Deixa de intriga.
                  Que coisa,
                  para de briga!
                  As cabras ...
                  o leite a tirar.
                  Anda menino,
                  as letras o esperam.
                  O saber o aguarda!
                  Ah! Menino!
                  Cadê a farda?!

                  Gente acolhedora,
                  uma mesa farta.
                  Reuniões ...
                  na Paróquia antiga.
                  Abre os portões,
                  a velha amiga!
                  Solidariedade...
                  sem idade!
                  Há na bucólica Serra,
                  um bom retiro prá fé.
                  Todas as tardes,
                  um bom papo no café.
                  Alegria e magia !
                  Tudo simples assim.
                  Saudades?! Muitas!
                  Ai... de mim!!!

                                   (agosto 2016 )

              Um simples agradecimento e homenagem as pessoas
 que nos acolheram com muito carinho na Serra de Santo Antonio
 e em especial ao Augusto, meu grande companheiro de todas as
 horas... Parabéns pelo lindo lugar em que você nasceu e de lá saiu
 tão pequeno... E,voltando as origens...amei estar presente nesse seu
 retorno tão emocionante!

sábado, 20 de agosto de 2016

A Culpa Do Olhar... Verônica Mell


Paris - França


                     Bem... apaixonou-se
                     pelo" fulano de tal".
                     Mas como?!
                     Ah! Os olhos verdes,
                     na pele morena,
                     de olhar translúcido,
                     numa tarde amena.

                     Doces devaneios,
                     tomando um café,
                     num dia manso.
                     O coração ...
                     capturou uma história.
                     Envolvente...!
                     O "fulano de tal",
                     em Paris...
                     Porque não?!
                     Quem sabe
                     se realizasse!
                   
                     Há o destino
                     que nos escolhe,
                     e, o sonho acolhe!
                     Houve alegrias
                     ao cair da tarde,
                     ao surgir da noite.
                     Adormeceu
                     em madrugadas
                     mágicas, nos braços
                     do "fulano de tal"!

                     Luares dançantes
                     despertaram
                     cores de primavera.
                     A paixão...
                     pelo "fulano de tal"
                     avançou pelo verão
                     e... no inverno
                     houve o aconchego,
                     do abraço amigo.
                   
                     Ah! Aquele olhar
                     do "fulano de tal"!
                     Olhos verdes
                     de menino,
                     na pele de felino!
                     Como uma faísca
                     se foi ...
                     Talvez... lançar-se
                     em nova paixão.
                     Mil e uma razões!
               
                     O "fulano de tal",
                     fica por aqui.
                     Um sentimento
                     leve... inércia.
                     A vida é tão breve!
                     O que importa?!
                     Estava certa que
                     o amor um dia,
                     a encontraria...!
                   
                              ( jan. 2016 )
                   

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Elegia A Vida - Verônica Mell

  Horto de Copenhague

             Canto o amor e a amizade,
             canto os amigos e os amores.
             Canto as alegrias colhidas,
             as tristezas vencidas.

             Canto a juventude de ontem,
             a juventude de hoje.
             Canto a manhã da ciranda,
             a tarde morosa, a noite de lua.
             Canto os sonhos de primavera,
             as cores dos sonhos de outono.

             Canto do verão,o calor,
             a sensualidade,a magia!
             Do inverno...
             o aconchego do abraço
             embaixo do cobertor.

             Canto todas as cores
             do arco-íris...
             As diferenças da vida.
             Ah! Como canto!
             A cicatrizada ferida,
             a garra e a coragem!
             Também canto...
             o  que a vida escolheu
             e... me deu.

             Canto,o canto
             de  cada estrela
             no céu que brilha
             no dia de alguém!
             Canto o encanto
             do que exalta a vida.
             Canto o poeta...
             Canto o esteta
             que exalta o amor!
   
                             ( março 2015 )

     Elegia: composição poética que pertence ao gênero lírico.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Viajar... trazer imagens na mala - Verônica Mell

A Pequena Sereia - Copenhague - Dinamarca
          A Pequena Sereia construída em 1913,em bronze, homenageando o escritor
 dinamarquês Hans Christian Andersen,na cidade de Kastellet. O filme do mesmo
 nome foi baseado no conto homônimo do escritor. Um dos pontos turísticos mais
 visitados na Dinamarca... Ela é uma imagem pequena, mas há encantamento no
 olhar de milhares de pessoas que procuram o melhor ângulo para as fotos,como
 se a imagem pudesse saltar dali e voltar para o conto... Imperdível...




           Viajar é vestir a alma com as cores do arco-íris: ao respirar  novos ares,
  ver outros povos,provar sabores,sentir aromas,ouvir sons diferentes e deixar-se
  perder por cidades, avenidas,ruas,praças,vielas,becos..Ampliar horizontes e ter
  a certeza que há muito ainda que aprender.Quebrar tabus,mudar conceitos,deixar
  paradigmas...Tudo registrado com os cinco sentidos... É viciante,ao retornar,já
  estamos sonhando com a próxima viagem, com os pés voltados para a frente
  sempre prontos... Agora, meses e meses de pesquisas e mais  pesquisas e lá
  vamos nós em uma nova aventura,recheada de muita  história, cada momento
  é único e transformador... Sempre querendo voltar! Vivenciar tudo outra  vez e,
  trazer novas imagens na mala...( imagensnamala.blogspot.com ) Quem sabe?
  É... quem sabe... ?!
 

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Trovas De Recordação - Verônica Mell

Fiordes da Noruega
           
                     Renova tudo o que pode,
                     renova o sonho,a vida...
                     Renova antes que acorde,
                     a velha amarga ferida!

                     Embaixo duma mangueira,
                     acordei eu,dum sonho lindo.
                     Espreitava a lua matreira,
                     que maliciosa veio vindo...

                    O que me pega... de fato,
                    é ... seu sorriso travesso.
                    Só, no momento desse ato,
                    descubro... viro do avesso!

                    Encantou o pássaro o dia,
                    o sol... sorriu para mim.
                    O horizonte se perdia
                    da tristeza... era o fim.

                    Quando olhei para o lado,
                    vi... o sorriso mais doce.
                    Do canteiro de flores era:
                    amor-perfeito... que fosse!
                 

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Apenas Isso - Verônica Mell

Capadócia - Turquia



             Ampliar os horizontes!
             Quem não deseja,
             apenas isso?!

             Amor...Felicidade,
             viver o novo,
             Sentir-se inteiro,
             apenas isso...!

             Buscar o que acredita.
             Ainda dá tempo...Vai!
             Mas...não leva o relógio,
             apenas isso!

             Veste o corpo de alma,
             despe o "ego"...
             Solte-se pelos caminhos,
             apenas isso...

             O aroma dos lugares,
             seus sabores...
             Histórias seculares,
             adoro tudo isso !

             Catedrais antigas,
             adentrar castelos,
             apenas isso.
             Ah!...Com sorte ver
             o cavaleiro medieval,
             por vielas estreitas,
             ruas de pedras.
             Casarios singulares!
             Apenas isso...

             Abraça o novo,
             solta a imaginação,
             e acredita nos sonhos.
             Como" as crianças,
             os poetas e os loucos"!
             - alguém já disse -
             Apenas isso...

             Jogue-se na aventura,
             agora...sem hora.
             Sela a nossa amizade
             e...  viaja comigo.
             Apenas isso!!!
     
                                  (  julho 2016 )

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Um Longa-Metragem - Verônica Mell

Vila Medieval de Èze - Côte D'Azur - França

         
            Deixa os afazeres,
            vem...se me quiseres.
            Agora...sem hora!

            Vem... e abrevia
            o nosso dia
            tão equivocado.
            Amor desarmado!

            Nas horas sem afinação,
            o tempo voa em vão...
            A noite segue seu curso,
            em outro discurso.

            Traz o que seduz
            a meia luz!
            Lá fora,o burburinho ...
            tomo uma taça de vinho.

            A manhã ...
            custa a chegar,
            vou madrugar.
            Perdi o sono,
            que desabono!

            Além do mais,
            o passo foi escasso.
            Um amor confidente,
            de si mesmo é  ciente!

            Que a vida solidária,
            deixe a via secundária.
            E,faça uma nova filmagem,
            em longa-metragem...

            Este amor de nós dois,
            não pode ficar para depois.
            Na esperança... sobrevivo
            ao amor subversivo!!!

                        ( junho 2016)
    .
     
                         
         
         
         
         

domingo, 19 de junho de 2016

Nas Asas Da Saudade - Verônica Mell

Marrakech - Marrocos

          Voei a céu aberto
          nas asas da saudade!

          Os sonhos, soltei todos
          por prados verdejantes.
          Joguei o que não servia:
          deixei as velhas mágoas,
          correr por novas águas!

          Nas pipas... ao vento,
          coloquei os maldizeres.
          Deixei o meu castelo,
          vesti uma armadura
          de amor e muita luz!

          O agora é meu presente,
          só... o que me seduz!
          A vida... uma pergunta,
          muitas vezes sem resposta.
          Um grito mudo no silêncio!

          Se aquieta, diz o bom senso,
          nada dura para sempre.
          Somos um simples viajante
          por essas paragens.
          Que a bagagem, seja leve.
          Tudo... tudo é tão breve!
          Que o Sonho e a Esperança,
          sejam seu lema...
          Não há outro tema!!!
       
                     ( junho 2016 )

terça-feira, 7 de junho de 2016

Esse Homem - Verônica Mell


Cartagena, Espanha

         
            Gosto desse homem,
            o canto e o acalanto
            do amor tão meu!

            Que chega com a lua,
            me despe com os olhos.
            Fico nua,
            num prazer tão seu.

            O lugar?!
            Não importa!
            Sem número na porta.
            Endereço: Universo.

            Do jogo da moeda,
            o verso e o reverso!
            O rio que corre livre,
            mora no sereno...
            Caminha para a praia
            envolto pelas ondas.
            Que navega...
            se perde em mar alto!
            Porém...de novo
            acha o caminho.
            E, volta...
            volta prá mim.
            Mas, só volta
            com o sol, já, no asfalto!

                    (junho 2016 )
       
       


quarta-feira, 18 de maio de 2016

Sonho Vivido - Verônica Mell

Vila de Óbidos - Portugal
   
        Levar a alma inteira,
        deixar os poucos pedaços.
        Viver o que a hora esculpe
        distante, em noites de lua.

        Na harmonia do silêncio
        aquietar-se, sem platéia
        ou ofensas doridas.
        Correr o mundo...!

        No mar ... à noite,
        ouvir histórias!
        Sair da mesmice,
        que chatice!

        Não quero chocar você,
        longe de mim!
        Sem rumo...
        Minh'alma é assim!

        De pés voltados prá frente,
        cansada de tanto andar.
        Em plena tarde sozinha,
        buscando poetas perdidos.

        Fazer uma loucura do nada,
        às sombras das árvores...
        pela estrada!
        Assistir alvoradas e luas,
        deixando saudades no asfalto.
        Senhora d'um sonho vivido!

                         ( maio 2016 )

terça-feira, 17 de maio de 2016

Surpreenda-me - Verônica Mell

Manarola - Cinque Terre - Itália

        Surpreenda-me com o esperado
        inesperado...
        Surpreenda-me com o que desponta
        e, não desaponta.
        Surpreenda-me com a alvorada
        ou um quase nada.

        Surpreenda-me com o enfeitiçar
        do seu atiçar.
        Surpreenda-me com esse amor
        violador.
        Surpreenda-me com a timidez
        da vez ...
        Surpreenda-me com o traço
        de cansaço.

        Surpreenda-me com a parte
        que reparte.
        Surpreenda-me com a bobeira
        da brincadeira!
        Surpreenda-me com o repertório
        inspiratório...

        Surpreenda-me sempre,
        porém ... tenha em mente :
        surpreenda-me vigilante.
        Nada... Nada vacilante!
        Surpreenda-me ,
        com nosso retrato...
        Insensato!
        Mas, surpreenda-me à beira-mar,
        sobretudo... sem eu chamar!
       
                  ( maio 2016 )
     
     
                   


     
     

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Encantos De Lisboa - Verônica Mell

Alfama - Lisboa - Portugual


              O fado cantava
              amores perdidos
              de dias antigos...

              Por vielas históricas,
              serpenteia o bonde 28,
              na ladeira íngreme.
              Aqui e ali vi-me,
              tirando fotos da" Sé",
              em movimento...
              De pedras,o calçamento,
              as escadarias de Alfama
              nos levam à celestiais
              miradouros...
              À vestígios mouros!

              Surge a comparação:
              ingleses com os" pubs",
              parisienses as" boulangeries",
              em Lisboa as" pastelarias",
              com doces cheios de creme,
              cafés expressos...
              Da tarde, esse é o leme,
              para matar o tempo...

              Ah! A massa folheada
              dos pastéis de nata!
              - suspira até o magnata.
              Como apagar da saudade
              os aromas... a lua de prata?
              As ruelas com casas antigas,
              os sabores... e,o reconforto
              do vinho do Porto?!

       
                                   ( maio 2016 )
     



quarta-feira, 4 de maio de 2016

De Carona Contigo - Verônica Mell

Portofino - Itália

             De carona contigo,
             construí novas pontes.
             Levei-me inteira...
             por outros caminhos.
             Não há tempo-espaço !
           
             De carona contigo,
             saí da estrada.
             Larguei tudo e nada!
             Morei numa praia,
             dormi no celeiro...
             E, no nosso terreiro
             semeei novos sonhos.

             De carona contigo,
             levei risos e flores.
             Larguei os amores!
             Perdi-me no abraço,
             do nosso compasso.

             De carona contigo,
             acendi uma fogueira
             de cor azulada.
             Ali, mesmo na terra,
             abri a janela velada.
             Dancei na florada
             da mata, na serra!
             .
             De carona contigo:
             escalei o arco-íris,
             bebi do orvalho,
             banhei-me na lua.
             Emprestei ...
             das estrelas:
             o brilho... A luz!

             De carona contigo
             perdeu-se a razão,
             achou-se afeição.
             O amor que conduz,
             de carona contigo,
             é o que me seduz!
           
       
                           ( maio / 2016 )
           

         

           

terça-feira, 3 de maio de 2016

A Canção Da Lira - Verônica Mell

Manarola - Cinqueterre - Itália
       
           A lira surge do nada,
           com sorriso aberto,
           canta o azul do céu!
           A dança da brisa
           alumia lembranças,
           desperta saudades.

           A preguiça do dia,
           estica-se...
           O cair da tarde,
           saborei ...
           com o olhar, o turista
           no seu vai-e-vem.
           Outra meia-volta !

           Adiante, agonizante,
           o dia .
           Em contra ataque, a lua
           na soleira,
           matreira, espia...
           Abre-se o leque de estrelas
           em saudação à noite faceira.
           Ah! O cheiro de erva-cidreira!

           A alquimia arrelia
           o compasso do peregrino,
           o matraquear do sino,
           o passar das horas...
           A resposta da Natureza,
           em outra proposta .
           Ao quedar-se de mais um dia,
           desfila o serenar da noite !!!

                        (maio / 2016 )
       


sábado, 12 de março de 2016

Jogo De Poeta - Verônica Mell

Amsterdã - Holanda


            Jogo com as palavras,
            Faço versos...
            Será que são meus?
            Falo de ilusões,
            De sentimentos...
            Sou poeta
            Amante
            Sonhador...
            Cantador de emoções!
            Eu sou você,
            Nesta correte de lirismo.
            Somos todos iguais no amor!
            Pego num livro
            De versos soltos,
            De mesma fala...
            Tudo se iguala!
            Os poetas se assemelham...
            Alguém, já disse o que escrevo.
            Alguém ,já escreveu o que digo.
            Quem não travou batalhas?!
            Já,não foi o vencido ou o vencedor?
            Somos todos poetas da vida...
            Curando feridas ou,
            CANTANDO O AMOR!!!

                                 (Verônica Mell)

       (da Antologia "Jardim Poético", organizado por Wilson Jasa- 1991 )


           

             

quarta-feira, 9 de março de 2016

No Lar Da Esquina - Verônica Mell

Atenas - Grécia


                  Menino de rua
                  Que mora na esquina
                  Do "lar do mundo."

                  A sua morada,
                  Na noite calada,
                  Tem teto de estrelas
                  No banco da praça.

                  Menino que passa,
                  De olhar perdido,
                  À procura de amor.

                  - Que fez o menino
                  Tão pequenino ?!

                 -  O mundo o aprisionou,
                 Sem grades. E o deixou
                 No cativeiro da miséria.
                 Pobre prisioneiro!

                 No vai-e-vem da vida,
                 De alma ferida,
                 O menino sem lar
                 Quer alguém para amar.

                 Ah! Menino vadio!
                 O mundo vazio
                 Não quer enxergá-lo,
                 Mas Deus vai amá-lo !
                                               Verônica Mell

                       ( Poesia Premiada na Antologia do" Concurso Poesias- Crônicas USF- 1993 ")
         

terça-feira, 8 de março de 2016

No Reino De Um Dia... Verônica Mell

St. James's Park - Londres

                 Eh! Mulher!
                 Que o mais pesado,
                 seja de ti afastado.
                 Um dia de luz,
                 sabor de alcaçuz !

                 Eh! Mulher!
                 O reino de um dia,
                 quem diria!
                 Luta  não espera,
                 por direitos iguais.
                 Seja fera ...
                 em dias reais.
                 Use o bom-senso,
                 não é contra-senso!

                 Eh! Mulher!
                 Denuncia o delito,
                 do direito proscrito!
                 Afinal, é o" seu dia"!
                 Dia internacional!
                 "Rainha do lar",
                 vem mascarar
                 tudo ...
                 Mesmo a mercê
                 do título,ache
                 o seu melhor!
                 E... relaxe!
               
                 Eh! Mulher!
                 Tudo o que adular,
                 bem consciente,
                 de presente!
                 O beijo e o abraço
                 galanteador...
                 num laço.
                 O que perfumar,
                 o bombom,a flor.
                 Que venha :
                 " um café e
                 um amor. Quentes,
                 por favor ..."
                 Afinal você é Mulher,
                 codinome : Amor
           
               
                                 (março 2016 e 2017)
           

                     De Caio Fernando Abreu : "Um café e um amor.
             Quentes,por favor.Pra ter calma nos dias frios,pra dar
             colo quando as coisas estiverem por um fio."      

sexta-feira, 4 de março de 2016

Tempo De Amor - Verônica Mell

Londres - London Eye

                  Em suas mãos
                  deixei-me ficar...
                  Estou amando
                  ou, apenas sonhando?
                  Que importa!
                  É tempo de amor...
                  Querido amigo-amado!
                  Querido amigo-amante!
                  Olhe a vida lá fora,
                  vista-se de sonho.
                  O dia é azul...

                  As nossas almas se confundem!
                  Há riso,sol e esperança...
                  É tempo de amor,,,
                  Vem comigo viver!
                  Deixa gotejar as lágrimas contidas.
                  sente o bem do meu bem-querer.
                  É seu abrigo meu abraço,
                  dou-lhe o filho sonhado...
                  Doce amado!
                  Planto uma árvore,,,
                  Por fim, falta apenas o livro
                  que vamos escrever.
                  Bem... Comecemos nossa história...
                  Porque é tempo de Amor!!!

                                              Verônica Mell

                           (da Antologia "Jardim Poético",
  organizado por Wilson Jasa -1991)