terça-feira, 27 de março de 2012

DA VELHA JANELA - Verônica Mell


    
Honfleur - Normandia


                     Abençoadas as lembranças
                     vindas além... do outro lado.
                     E, viradas pelo avesso,
                     num dia bem azulado !

                     Há na rua várias crianças,
                     na tela simples do claro dia.
                     A doce ciranda da infância,
                     com leve ar de poesia...

                    E, teimando lá se vai ela,
                    a correr na grama molhada.
                    É a saudade plantada...
                    pulando a velha janela.

                    No chão de olho fincado,
                    melancólico... acabrunhado,
                    descansa, aí, numa cadeira :
                    a emoção da vida inteira !
                 
                    Por uma ou qualquer razão,
                    até mesmo bem ausente...
                    O poder da saudade,
                    sempre se mostra presente!!!