sábado, 29 de outubro de 2016

Elegia A Saudade - Verônica Mell

Museo Larco - Peru
         
       Dos tantos milagres
       da minha vida...
       aí está você, filha!

       Quando a vida
       fez uma curva
       e a lente ficou turva,
       Abriu -se outras portas!
       Do meu jardim excluí:
       as folhas  mortas...

       Dias bem azuis,
       caminhos coloridos...
       Nos de chuva ou doridos
       ao vê-los dormindo,
       das mazelas ficava eu imune.
       Tanta coisa vem e se reúne!

       Minh'alma adentra
       os dias de outrora ...
       Momentos a me alcançar,
       outros saem a debandar...
       Abençoada eu, por tê-los
       nem acredito ao vê-los!


       Meu bebe lindo...
       Hoje... linda mulher!
       Quando cresceu?!
       Eu não vi...
       as vezes quero
       a menina de volta.
       Mãe é controversa!

       Hoje é seu dia,
       chega de conversa.
       Vamos sem horário,
       andar de braços dados.
       É dia de festa...
       Feliz aniversário!
       Saúde,paz e amor.

       Grandes projetos
       e muitos dias
       de sonhos repletos!
       Que a Luz seja seu guia.
       Sonhos e Esperança,
       reza a cartilha.
       Minha eterna criança!!!
     
                                     (29/10/2016)

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Se Você Soubesse -Verônica Mell

Museu Larco - Lima
       
           Queria que você soubesse
           quanto do amor eu lhe tenho!
           Do nada a saudade aparece,
           sem esforço ou empenho...

           Queria que soubesse,
           veio de graça...
           lá do fundo d'alma.
           E, por mais que eu faça,
           não se vai ...
           Nada passa!

           Queria que soubesse
           vem de séculos,
           já estava escrito!
           Com o tempo,
           alguns sonhos,
           a vida sombreou.
           Quando adormeço,
           cavalgo ...
           Outros mundos!
         
           Queria que soubesse,
           gostaria de lentes
           bem mais coloridas,
           para fixar o que a vida
           me roubou...

           Queria que soubesse
           que está acima
           do bem e do mal
           o amor que lhe tenho.
           Perdi-me tão triste ...
           num poema!
           Aqui venho ...
           nas palavras não ditas
           ficou só o silêncio.
           Inquietações!
           Longe de mim :
           o sol .
           Só queria...
           que você soubesse!!!

                         ( outubro 2016 )

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Perder-se Em Paris... Verônica Mell

Rio Sena - Paris
   
             Vou à Paris...
             Diga amiga,
             o que me diz?
             Quando...?!
             Ainda não sei!
             Não há quem resista
             ao seu antigo charme.
             Nem tristeza que persista!

             Saudades?! Muitas,
             das margens do Sena!
             Assistir à dança do rio
             ao anoitecer,
             com a luz de rua
             refletida em suas águas,
             na noite de lua.
             O brilho das janelas,
             as luzes dos barcos.
             Ah! A Torre Eiffel!
             Mágica ao entardecer.

             A Champs Élysées,
             Galerias Lafayette.
             Não é "démodé",
             " de magnifiques vitrines!"
             Andar pela Pont St-Louis,
             Canal St. Martin...
             Bebericar bons vinhos!

             Visitar Montmartre
             que respira arte.
             Ver os pintores,
             as obras na praça.
             Sentir os aromas
             e, os sabores...
             Com o champanhe,
             na taça...
             olhar quem passa!

             No Jardin des Tuileries,
             parar para o descanso.
             Visitar o Louvre,
             Sacre Coeur,
             Notre Dame,
             Musée d'Orsay...
             Château de Versailles,
             nos arredores
             e,as flores que o colore!
           
             Amo tudo isso!
             Vagar pela noite,
             você sabe disso.
             Ouvir da oficina,
             " La Vie à Rose ",
             que vem da esquina.
             "Et mille petites choses
             que je ne porrais explique."
             "J'aime Paris..."
             e, todas as pequenas coisas
             que eu não sei explicar!

             Meu caso de amor é antigo:
             Paris e eu ...
             Há muito não sou calouro,
             festejo bodas de ouro!
             Até breve, "mon revê!"
             Au revoir
             et à bientôt !
             Bonne Nuit Paris!!!
         
                       (outubro 2016)

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Perambulando - Verônica Mell

Pueblo de MachuPicchu
   
           Vamos dar uma volta,
           olhar tudo em volta.
           Contar as estrelas,
           ao vê-las.

           Vigiar a lua,
           andar pela rua
           quieta...calada.
           Só isso,mais nada!

           Ficar de bobeira,
           não noite faceira.
           Nada nos prende aqui!
           O agora nos enlaça,
           me abraça...

           Ir além dos "brasis",
           pelo mundo...
           Perambular a fundo,
           há muito que ver.
           Tentável, pode crer!

           Não são bobagens,
           as novas paragens.
           Fotografar a chuva,
           o sol e o arco-íris.
           Dilema inevitável!
           É o que se faz :
           o sonhável,quando vira
           encantamento.
           Clicar no momento!

           Deu na cachola,
           não enrola.
           "A dança das horas"
           não para...
           É o que se leva,daqui!
           Vem... Vem logo daí!

           Ei!...diga sim,
           gastei eu, meu latim!
           Feliz?! Sei...
           Suba  no trem,sem desdém,
           se lhe apraz?!
           É o que se faz.Vem-vem...!
         
                      (outubro 2016)
         

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Máscara De Palhaço - Verônica Mell

Parque Reducto - Lima


        O dia é incrível!
        Esqueçamos as amarguras,
        Palhaço das minhas alegrias.
        Recordar... Recordar as piruetas
        Da infância dos meus dias.
        Palhaço de risos loucos,
        Nos momentos poucos,
        Das hilariantes fantasias
        No mundo mágico...
        De outros tempos.
        Dilatando o riso,
        Nos rostos espantados,
        Ao lamber o chão vezes tantas,
        Tantas vezes... Incontáveis.
        Pródiga" figura de palhaço!"

       Sua máscara de pintura
       Tem a alma mais pura
       Que gostam meus olhos
       De ver...
       A gente aqui,pode crer,
       Não pinta as faces.
       Mas cria não nasce,
       Com máscaras...
       Tão naturais
       De pobres mortais!
       Máscaras de amor
       Em faces de desamor.
       Máscaras de amigo
       Em faces de inimigo.
       Máscaras de candura
       Em faces escuras.
       Máscaras de encanto
       Em faces de desencanto.
       Máscaras de lirismo
       Em faces de egoísmo.

      Sabe palhaço,
      Criamos nossas máscaras
      Com o tempo.
      Sem perceber,
      A criança de todos nós
      Começa a morrer.
      Perde-se o viço,
      O sonho,a esperança,
      A bravura quixotesca;
      A simplicidade do amor.

     E são máscaras tantas!
     Máscaras mil.
     Máscaras inúteis,
     Máscaras patéticas!
     Algumas máscaras ,
     Mascaradas num contexto,
     Sem máscara-texto.
     A encenação...
     De máscaras coradas
     Em faces desbotadas,
     Para uma platéia
     De  MÁSCARAS EMOCIONADAS
     EM FACES SEM NADA!!!

                 (do livro "Retrato,Breve Como o Vento"- Verônica Mell - 1996)