segunda-feira, 30 de abril de 2012

MINHAS TROVAS - Verônica Mell



                   O verso meu vai e... canta
                   um amor de grande verdade .
                   Depois volta...até  espanta
                   a dor da minha saudade !

                   Até agora... não te disse,
                   é que no coração teu...
                   Há forte traço de doidice 
                   e, bem maior,que no meu !!!

                   Tenho saudades de tudo,
                   a vida me deixou assim ...
                   E agora... no silêncio mudo ,
                   eu choro ... choro até por mim !

                   Bem, aquela grande loucura
                   deste ser...tão apaixonado!
                   É, apenas... só a  doçura ,       
                   de alguém enamorado!!!

                   Vivo... com grande saudade!
                   Doces e frugais madrugadas...
                   Ah!Mas há uma grande maldade
                   nas quietas e mais caladas!!!
               
                   Ah!Das dores todas que  tenho,
                   digo...algumas são por você...
            ,      Agora aqui... aqui venho...
                   mas,não... não falo o porquê !!!
           
               

sexta-feira, 27 de abril de 2012

CANÇÃO DE NINAR - Verônica Mell


                         Embala mamãe,
                        embala a criança .
                        Embala os sonhos
                        prá dias risonhos ...

                        Embala mamãe,
                        embala ,agora ,
                        pro "bicho papão"
                        ir logo embora !

                        Embala mamãe 
                        a alegria da espera,
                        os braços e abraços
                        de mais primavera !

                        Embala mamãe ,
                        embala o amor ...
                        Queima a tristeza
                        Na essência da flor !

                        Embala mamãe
                        o instante profundo.
                        A noite e o dia ...
                        O melhor deste mundo !!!                

  ( Para você que está chegando Henrique ...e sendo
esperado com muito Amor!)


                                      ( 27/04/2012)

                                                    
                                                   
                                                 
                                              

quarta-feira, 25 de abril de 2012

DE QUARENTENA - Verônica Mell

                     Amor da lembrança ,
                     dos velhos sentidos...
                     Que arde no peito,
                     escorre na lágrima ,
                     treme nos lábios .
                     Um amor ... insolente !
                     Amor que emociona,
                     na dureza do dia ,
                     Vive ao vento,nas ondas,
                     pelas praças...  alamedas .
                     Fica sem jeito,
                     meio corado,bem calado!
                     De quarentena... Horas breves,
                     dum amor que se esquece.
                     Antes de abrir o olho,
                     se espreguiça na tarde amena.
                     que desfila serena...
                     Muda de rumo,
                     se ajeita no prumo,
                     meio espantado.
                     Um ser alado
                     de olhar curioso,
                     desejoso... 
                     Simples assim.
                     Explique -se, para mim?! 

                                                   (março 2012)

POÇÃO MÁGICA - Verônica Mell



Já nem sei
Como começou.
Agora,estou perdida!
Bebi a poção do seu olhar :
Mágica ... Magnetizada ...
Perdi meus limites,
Mudei as coordenadas .
Adormeci nos seus horizontes.
Não sei dos meus sonhos !
Vivo na fantasia ...
Da sua morada .
Em qual dos pólos
Ou hemisférios?!
Se é brincadeira
Ou a sério?!
Não estou preocupada !
Sua presença
É um bálsamo
A minha vida agitada !!!

    (do livro: "Retrato,Breve Como o Vento ", Verônica Mell,
.         1996 - página 41 )
Munique - Jardim Inglês

SONETO DO AMOR TOTAL - Vinícius de Morais

             Amo-te tanto,meu amor...não cante
             O humano coração com mais verdade...
             Amo-te como amigo e como amante
             Numa sempre diversa realidade.

             Amo-te afim,de um calmo amor prestante
             E te amo além,presente na saudade.
            Amo-te, enfim ,com grande liberdade
            Dentro da eternidade e a cada instante.

            Amo-te como um bicho,simplesmente
            De um amor sem mistério e sem virtude
            Com um desejo maciço e permanente.

            E de amar assim,muito e amiúde
            É que um dia em teu corpo de repente
            Hei de morrer de amar mais do que pude.


ALGUNS DIZERES - Verônica Mell



Campos de Jordão
 

   
             Suas palavras ,
             Jogue-as ao vento,
             tire-as daqui .
             Cansaço rondando...
             A dor do espanto,
             a trama do medo
             que definha e turva.
             Tire-as daqui,
             jogue-as ao vento.
             Guarde o mais doce,
             o que a brisa nos trouxe.
             No silêncio da rua
             a aquarela da lua.
             Estrelas sorrindo,
             num céu tão azul!
             Só, o que liga e religa,
             e que o amor desenhou.
             Uma boca se rindo,
             num rosto corado,
             o braço no abraço
             e,eu ao teu lado
             quieta dormindo...
         
        

terça-feira, 24 de abril de 2012

MODINHA - Cecília Meireles



Tuas palavras antigas
dexei-as todas,dexei-as,
juntos com as minhas cantigas,
desenhadas nas areias.

Tantos sóis e tantas luas
brilharam sobre essas linhas,
das cantigas - que eram tuas -
das palavras - que eram minhas!

O mar,de língua sonora,
sabe o presente e o passado.
Canta o que é meu,vai-se embora :
que o resto é pouco e apagado.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

CHAPEUZINHO DE BONÉ (POESIA INFANTIL) - Verônica Mell



Meteora - Grécia


              A tal da Chapeuzinho,
              não é vermelho não!
              Hoje,usa o bonezinho
              amarelo do irmão.

             O lobo,lá da floresta,
             não a persegue mais.
             Vive cantando em festa,
             dançando com seus pais.

             Mudou-se prá cidade,
             com a vovó...Que alegria!
             Uma grande felicidade
             a cada novo dia...

             Os bolinhos da vovó
             viram uma doce canção!
             Ora em "Fá",Ora em "Dó",
             nos acordes de seu  violão.

             Chapeuzinho de agora
             é igual a você também.
             Dança,canta...depois chora,
             quando alguns "grilos" tem!!!

             

domingo, 15 de abril de 2012

BÁLSAMO CAMPESTRE - Verônica Mell





Budapeste - Hungria





             Um bangalô todo branco
             Perto do céu.
             Com vitrais azuis,
             Na janela.
             Flores no jardim,
             Pinheiros no quintal.
             Lindos balaústres
             No balcão colonial!
             Uma rede de renda
             Para esticar a preguiça,
             Tirar algumas notas do violão
             Ou,jogar conversa fora.
             Na sala,uma lareira gostosa,
             Um grande tapete macio
             E, um vinho a nos convidar...
             O meu lado poeta
             Nunca me deixa quieta!
             Quer viajar...
             Agora,neste deleite
             Simples,sem culpas
             Nem fómulas,
             Te procura,te cobiça,
             Atiça teu desejo...
             Com jeito de amar!!!

     (do livro : "  Retrato, Breve Como o Vento "- Verônica Mell ,
                  1996 - Página 17 )

             


sexta-feira, 13 de abril de 2012

SAINDO FORA - Verônica Mell


Santorini - Grécia


            Do que consome,
            Do que deixa triste,
            Do que causa dor.
            Do tempo perdido,
            Do sonho náufrago,
            Do poema sem rima.
            Do que desestima,
            Do que cobra,
            Do que fere...
            De cima do muro,
            De "cousa-ruim"...

           O motim de emoções
           É o estopim do clima...
           Do passeio pelo jardim!
           Prá que tanto "latim"
           Aos dizeres de folhetim?!

                  

quarta-feira, 11 de abril de 2012

FEITIÇO POÉTICO - Verônica Mell

     

                Cuidado comigo!
                Você não sabe-
                da minha alquimia,
                dos meus mistérios,
                nem das fortes magias
                que guardo no coração.
                Só quero estar ao seu lado
                por excesso de carinho...
                Ando alucinada de saudade,
                perdida de paixão.
                Toda enamorada!

                Tome muito cuidado
                com meus feitiços poéticos.
                Mistérios...Bruxarias...
                Com o veneno
                que escondo nos lábios
                e a magia do olhar.
                Com as minhas forças ocultas!
                Qual é mesmo seu segredo?!
                Diga sem medo...
                Tornei-me indefesa.
                Acabei enfeitiçada!!!

   ( do livro : " Retrato,Breve Como o Vento " - Verônica Mell
               1996 - página 35 )
                     

         

quarta-feira, 4 de abril de 2012

ALAMEDA - Verônica Mell

                                


Costa Amalfitana - Villa Rufolo



                   Andando pela tarde
                   numa antiga alameda,
                   o mês, era maio...
                   Lembrei do poeta
                   na flor molhada.
                   Lembrei do poeta
                   de alma lavada!
                   A transformação da vida,
                   num festim amorável,
                   de benquerença ...
                   Soluços e despedidas.
                   Ai de mim!
                   Lembrei do poeta...
                   Exigência por excelência
                   da dor pungente.
                   O ser lamuriento,
                   se mostrou indolente...
                   Sombras aladas,
                   O silêncio...

                   Aí,lembrei do poeta,
                   lembrei de mim,
                   na tarde quente
                   do seu jardim...

        






                              

segunda-feira, 2 de abril de 2012

MENINO DE RUA - Verônica Mell



                 Que adora uma briga!
                 Com roupa rasgada,
                 De barriga vazia...
                 Menino de fé,
                 Com calça curta ,
                 De bola no pé.
                 Com pipa amarela,
                 De manhã ,sem café...
                 Você  menino,
                 Que vem da favela!
                 De pão sem manteiga,
                 Com sonhos dourados...
                 De uma irmã,
                 Muito meiga!
                 Dois seres maltratados,
                 PRODUTOS DA VIDA!!!
                 Não  perca a esperança,
                 Acredito em você!