quarta-feira, 23 de agosto de 2017

SAUDADE-VAZANTE - Verônica Mell



São Luis de Paraitinga - São Paulo




            Só
            Solidão
            Saudade!
            Sou sua sonhada
            Saudosa...
            Sem-sossego
            Sentinela sincronizada
            Sensível
            Sua sagrada seara,
            Seleta semente,suprindo
            Sonhos seus
            Sedução sem fim!
            Sinal sincero,
            Significante
            Senha seletiva,senhor!
            Sempre sua... sequiosa.
            Seja segredo só seu!
            Submisso sopro sonoro
            Suplemento significativo
            Suplicando sustentação
            Suplicando sutilezas
            Suas,senhor !
            Sufocando soluços
            Sufocando saudades
            Sepultando sofrimentos
            Silenciosos,soturnos
            Simples sobrevivente
            Soprando sublime sonata!!!

                          (do livro: "Retrato Breve Como o Vento"- Verônica Mell - 1996)

PONTO - Verônica Mell

Paraty - Rio de Janeiro

               

              Era apenas um ponto. Qual?!
              Não importa... Algo incompleto.
              Uma pergunta sem resposta,
              uma aposta!
              De dia..?. De noite?
              Numa tarde à tarde.Passou inteira,
              ficou dividida. Procurou por espaço,
              ficou presa no laço. Não desistiu!
              Voltou com mais força.Agitou-se
              toda.Surpreendeu pela artimanha.
              Chorou... Riu-se do desdém...
              Depois o que vem?!
              Continuou despercebida.
              Passou maus bocados... Venceu
              pela doçura.Ainda falta muito!
              Garra é a palavra chave.Foi
              um apelo. Direitos imperfeitos.
              Feitos desfeitos...
              Sonhos acalentados no coração,
              exatamente como na mente.
              Quem não sente?!
              Desumano! Humano!
              Efervescência... Consciência.
              Pariu... Depositou a semente
              na terra fecunda. Partiu...
              levando a esperança noutros
              lugares perto ou distantes.
              Muito ainda falta! A noite vai alta.
              O que importa é o que conforta.
              Não desista! Não feche a porta!
               
                                       (agosto 2017)
               

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

A BORBOLETA - Verônica Mell



             A borboleta azul da infância
             acorda a minha criança!
             Vou eu pelos campos...
             deitar-me na relva molhada.
             Desperta as alegrias antigas,
             atiça as lembranças perdidas.
             O que voou... voou...
             Não! Não volta mais!

              A menina  cresceu,
              no tempo se perdeu.
              Imutável destino!
              Sonhos... devaneios.
              Beijos e abraços.
              Nós cegos...  Laços.
              Sede de amor.
              Amor! Muito amor!
         
               Na época de agora,
               abre-se a porta .
               Lá fora ...
               tudo o que ecoa
               dum tempo que voa.
               O insolúvel!
               Céu de estrelas distante,
               segue adiante...
               O dia partiu .
               E... o que se ouviu
               foi uma mensagem
               gostosa de saudade
               da velha amizade.
               Uma certa dose
               de metamorfose!
             
                                  (agosto 2017)
               
               

terça-feira, 1 de agosto de 2017

O FIO DA MEADA - Verônica Mell





Meteora - Grécia


                      O fio embaraçou-se
                      todo, soltou-se
                      da bola da meada.
                      A geada...
                      matou o tempo!
                      Com tempo,
                      seu passo
                      dividiu o espaço.

                       A tristeza, jaz de susto.
                       Deixou o espanto,
                       calou o grito,
                       secou o pranto.
                       Tirou o mal do bem.
                       Amém!
                       Desenhou a alegria,
                       em contorno bem feito.
                       Contrafeito...
                       Tudo de repente,
                        a sua frente.
               
                        Na tarde azul,
                        lembrou da música,
                        dançou como o grego.
                        Listou os projetos.
                        Xô! O que não presta!
                        Largou a saudade,
                        adoçou o amargo.
                        Uma nova meta :
                        vestiu-se de sonhos.
                        Acordou poeta!!!

                                       (julho /2017)

       "Vivo nas estrelas poque é lá que brilha minha alma."
                                (Manoel Bandeira)