domingo, 3 de dezembro de 2017

CONTEMPLAÇÃO (Glaciar Perito Moreno ) - Verônica Mell)




Glaciar Perito Moreno - Patagônia Argentina

        Impactante!Único!
        Milagre que se anuncia
        ora calado,ora ruidoso.
        Pomposo!Singular
        no palco da natureza!
        A cada vez a emoção
        nos fala mais e mais,
        ecoa na alma ...
        Há um quer que seja
        de plenitude!
        Dilui-se o superficial,
        um banquete da fusão
        dos seres,creio eu!
        Nos rostos a felicidade
        da contemplação,por ora,
        maior que dos anseios
        que dormitam num oásis
        bem mais longínquo...
        Na plenitude do simples
        encantamento: o silêncio.
        Cala-se a mente,
        deixa-se fascinar ...
        Religa-se ao Universo!

                                     (03/dez/2017)

sábado, 21 de outubro de 2017

CHEIRO DE SAUDADE - Verônica Mell

Parati - Rio de Janeiro - Brasil


        A saudade grita,
        pouco a pouco,
        fala do amor louco.
        Com um "quê"
        de não quer nada...
        Acorda o arrepio
        do corpo colado,
        sussurra ao ouvido,
        dá um beijo molhado.
   
        Uma saudade
        com cheiro do ar
        que exala do quarto!
        De todo nosso êxtase
        compartilhado...
        Da roupa misturada,
        do abraço apertado.
        Do bom dia!Dia!
        - com sabor de café!
     
        A gostosa saudade
        da poesia do lugar!
        Da sineta da porta,
        do ruído da rua,
        do banco da praça...
        e, até de quem passa!
        Da luz das estrelas,
        da cheia lua...
        Daquela que se perde
        e se acha em você!

        Saudade... bem maior
        da mulher tão ingenua,
        mais livre que já fui!
        Da nossa alquimia,
        de toda a magia
        da troca! Do ser!
        Do amor...
        do nosso bem-querer!
     
     
                     (outubro 2017)
 
         



   

terça-feira, 10 de outubro de 2017

NOITE DE LUA - Verônica Mell



Amalfi - Costa Amalfitana - Itália



     Um cheiro de mar
     trazia a canção
     em ondas calmas.
     O voo das gaivotas
     no céu azul.
     Ao longe brincavam
     as almas,
     sem tropeços, livres.

     A estação conspirava,
     com a aquarela colorida
     e, seu pincel antigo
     tingia a paisagem...
     - cena idílica,nostálgica.
     Desceu a serra,
     sem se fixar
     em lugar algum...

     Chegou e partiu
     sem um abraço,
     pousar sabe onde?!
     Sem embaraço...
     Veio outro você
     perder-se em mim,
     trazendo flores
     no braço...

     Embarcamos nós,
     numa doce jornada!
     Vou confessar,
     era noite quente,
     a lua invejosa
     vinha nos espiar
     sem maldade.
     Outro alguém?
     Um novo contexto?!
     Sim! Bem...!
     Outro você ...
     aconteceu em mim!
   

                         (outubro 2017)
   
   


 

   



   
   

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

QUADRO DE EMOÇÕES - Verônica Mell


Rouen - Normandia - França       

         Moço bonito,
         Moço pintor!
         Pinte uma tela
         Só de nós dois.
         Pinta a emoção
         Que se acerca de mim.
         Os sussurros,
         Os gemidos
         E... o êxtase!
         Nossos sentidos aguçados,
         Novos ângulos explorados,
         Pinta a malícia
         E... toda a delícia
         Que vem depois.

         Moço bonito,
         Moço pintor!
         Deixe em aquarela
         Nossa liberdade.
         Pinte tudo,
         Mas, não pinte a saudade!!!

                ("Retrato,Breve Como o Vento"- Verônica Mell"- 1996)

LÁ VOU EU - Verônica Mell



Portofino - Ligúria - Itália



               Lá vai você,
               lá vou eu...
               apaixonados por bosques,
               folhas, flores e perfumes.
               De mãos dadas por estradas
               na manhã sorrindo,
               na tarde que vem vindo,
               na noite que aparece...
               No dia que amanhece!

               Em noites de inquietação
               uso chinelas de sonhos,
               caminho por estrelas,
               converso com a lua.
               O poema é o confidente
               em boas ou más horas.
               Nunca falta!
               Nunca mente!

               Se em dado momento
               tudo parecer sem sentido,
               uso um manto azul
               e, como os loucos
               saiu correndo
               atrás dos sonhos,
               por vielas sem luz.
               Bem aceso,nas mãos,
               um lume! Lá vou...
               Ah! Como eu rio!
               Do mundo, esqueço o dano,
               vou cantar o amor docemente.
               Sei que não é por engano,
               faz parte de mim... Somente!!!

                                          (setembro 2017)

       

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

SAUDADE-VAZANTE - Verônica Mell



São Luis de Paraitinga - São Paulo




            Só
            Solidão
            Saudade!
            Sou sua sonhada
            Saudosa...
            Sem-sossego
            Sentinela sincronizada
            Sensível
            Sua sagrada seara,
            Seleta semente,suprindo
            Sonhos seus
            Sedução sem fim!
            Sinal sincero,
            Significante
            Senha seletiva,senhor!
            Sempre sua... sequiosa.
            Seja segredo só seu!
            Submisso sopro sonoro
            Suplemento significativo
            Suplicando sustentação
            Suplicando sutilezas
            Suas,senhor !
            Sufocando soluços
            Sufocando saudades
            Sepultando sofrimentos
            Silenciosos,soturnos
            Simples sobrevivente
            Soprando sublime sonata!!!

                          (do livro: "Retrato Breve Como o Vento"- Verônica Mell - 1996)

PONTO - Verônica Mell

Paraty - Rio de Janeiro

               

              Era apenas um ponto. Qual?!
              Não importa. Algo incompleto.
              Uma pergunta sem resposta.
              Foi uma aposta... Tudo fugiu.
              De dia? De noite?
              Numa tarde à tarde.Passou inteira,
              ficou dividida. Procurou por espaço,
              presa no laço. Não desistiu!
              Com a explosão deitou-se no chão,
              voltou com mais força.Agitou-se
              toda.Surpreendeu pela artimanha.
              Chorou... Riu-se do desdém.
              Depois o que vem?!
              Continuou despercebida.
              Maus bocados... Venceu
              com arte. A noite abriu-se!
              Direitos imperfeitos,
              feitos desfeitos.
              Sonhos acalentados
              no coração... Promessas!
              Quem não sente?!
              Humano! Desumano!
              Consciência... efervescência.
              Na terra fecunda pariu,
              fixou o olhar noutro olhar,
              depois partiu...
              Levou a esperança a outros
              lugares perto ou distantes.
              Muito ainda falta! A noite vai alta.
              O que importa é o que conforta.
              Não desista! Não feche a porta!
               
                                       (agosto 2017)
               

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

A BORBOLETA - Verônica Mell



             A borboleta azul da infância
             acorda a minha criança!
             Vou eu pelos campos...
             deitar-me na relva molhada.
             Desperta as alegrias antigas,
             atiça as lembranças perdidas.
             O que voou... voou...
             Não! Não volta mais!

              A menina  cresceu,
              no tempo se perdeu.
              Imutável destino!
              Sonhos... devaneios.
              Beijos e abraços.
              Nós cegos...  Laços.
              Sede de amor.
              Amor! Muito amor!
         
               Na época de agora,
               abre-se a porta .
               Lá fora ...
               tudo o que ecoa
               dum tempo que voa.
               O insolúvel!
               Céu de estrelas distante,
               segue adiante...
               O dia partiu .
               E... o que se ouviu
               foi uma mensagem
               gostosa de saudade
               da velha amizade.
               Uma certa dose
               de metamorfose!
             
                                  (agosto 2017)
               
               

terça-feira, 1 de agosto de 2017

O FIO DA MEADA - Verônica Mell





Meteora - Grécia


                      O fio embaraçou-se
                      todo, soltou-se
                      da bola da meada.
                      A geada...
                      matou o tempo!
                      Com tempo,
                      seu passo
                      dividiu o espaço.

                       A tristeza, jaz de susto.
                       Deixou o espanto,
                       calou o grito,
                       secou o pranto.
                       Tirou o mal do bem.
                       Amém!
                       Desenhou a alegria,
                       em contorno bem feito.
                       Contrafeito...
                       Tudo de repente,
                        a sua frente.
               
                        Na tarde azul,
                        lembrou da música,
                        dançou como o grego.
                        Listou os projetos.
                        Xô! O que não presta!
                        Largou a saudade,
                        adoçou o amargo.
                        Uma nova meta :
                        vestiu-se de sonhos.
                        Acordou poeta!!!

                                       (julho /2017)

       "Vivo nas estrelas poque é lá que brilha minha alma."
                                (Manoel Bandeira)

sábado, 15 de julho de 2017

ALGUÉM PERGUNTOU - Verônica Mell

Colmar - Alsácia - França


                     E... os sonhos?
                     São muitos.
                     E... a alegria?
                     Descubro dia-a-dia.
                     E... a tristeza?
                     Morre de braveza.
                     E... a mágoa?
                     Afoguei-a na lagoa!

                     E os amores?
                     Guardei-os sem dores.
                     E os sentimentos?
                     Bem profundos!
                     E as recordações?
                     Mudam de feições.
                     E os retratos?
                     Sem maus-tratos.

                     E a maior mentira?
                     Uma vida perfeita.
                     E a maior verdade?
                     Ser Feliz! Hoje!
                     E as canções?
                     Doces lembranças.

                     E... a vida?
                     Carrega-me nos braços.
                     E ... o amor?
                    Trago no coração!
                     E... o que se busca?
                     Um caminho.
                     E... o que se deseja?
                     Ser Feliz!

                     E o tal poeta?!
                     Segue seu caminho
                     - pausa para um cafezinho.
                     Só um esteta ...
                     que pensa que é profeta!
                     E o que nos salva então?
                     O Amor de Verdade!
                     E o que nos mata?
                    Ah! A Velha Saudade!!!
                                         
                                           (15/07/2017)

             
               
                       
                 

terça-feira, 18 de abril de 2017

AO UNIVERSO - Verônica Mell

Londres - Inglaterra



           Emocionada
           agradeço
           a vida e seu reverso
           no Universo.
           Um plano de Deus!
     
           Nem tudo é grácil
           e... nem muito fácil.
           Um malabarista,
           assim somos nós.
           Ora ditosos...
           ora,chorosos!
         
           Arrependo-me?
           Bem pouco,
           quase nada!
           Nem sempre
           se acha o caminho.
           Quem é adivinho?
           - na primeira vez -
           Insensatez...?!

           Embalei os sonhos
           nos versos do poema.
           Fiz uma aliança
           e... a poesia avança,
           acolheu-me nos braços.
           Quão fortes nossos laços!
           Era possível ...
           considerável e tangível.

           Em nova etapa...
           vou pegar o mapa,
           volto num segundo.
           Conhecer o mundo!
           Ir sempre mais além...
           Embala os sonhos meus,
           o desconhecido enxerido.
           Desafiante! Intrigante!
         
           Tudo se abrevia,
           em passo mutante.
           Há de se partir um dia,
           seja agora ou adiante!
           Agradeço a tudo...
           que sempre conspira
           a favor e, alumia a vida,
           quando se faz dormida!
   
                                     (18/04/2017)

domingo, 26 de março de 2017

BANCO DE JARDIM - Verônica Mell


Montmartre - Paris - França



         Lembranças me levam
         em seus braços...
         numa rua sem-fim!
         No carrocel, ao meu lado,
         fico tonta de girar assim.

         Ora sorrindo alegres,
         ora viram um motim.
         Bem! Sem motivo
         perceptivo. Enfim...
       
         Vejo-as e as observo.
         Soltam-se em avenidas,
         por pitorescas vielas,
         saltam num trampolim.
         Sento-me junto a elas,
         todas olhando pra mim!

         Há uma ciranda de roda,
         estrelas cintilam no céu.
         No beco cheio de música,
         a luz da Lua surge na rua.
         O vento,em atuação,
         desfolha as árvores,
         com um suave farfalhar.
         Diluí-se a solidão!

         Na paisagem lírica
         da volta,revelação :
         a alma beberica
         um perfume de jasmim.
         A lembrança se reencontra
         menos desolada,
         no banco do meu jardim!!!
       
       
                    (março 2017)

domingo, 12 de março de 2017

SEM EXPLICAÇÃO - Verônica Mell

Chateau de Chillon - Suiça



             Vem sem explicação
             na tarde repousante,
             quieto,calado...
             expulsa essa solidão!

             Vem sem explicação,
             sussurra baixinho,
             cheio de ternura...
             Palavras de amor!

             Vem sem explicação,
             não quero saber
             de lugares aonde...
             não estava com você!

             Vem sem explicação.
             Pra que saber do sol
             que acariciou sua pele, 
             da brisa que o embalou
             ou, da noite intensa
             que voou em sonhos!

             Vem sem explicação,
             pra que eu possa
             me sentir única e,
             por inteira...
             A fonte da sua sede,
             tudo o que o inspira
             e o presente,
             por eu existir, no agora,
             em sua vida....
             Sem mera explicação!
             
                        (março 2017)


ESCOLHAS - Verônica Mell

Montreux - Suiça



   
          Os anos que passam,
          deixam a filosofia clara.
          Nunca se é bom
          o suficiente,
          nem se faz o bastante,
          do que se espera de nós!

          Como num jogo,
          uma peça por vez.
          Um quebra cabeça
          ou sei lá o quê!

          Os certos,os errados
          e, os" tem que" ...
          Esses pesam além
          do que os ombros,
          alguns mais jovens,
          outros ...
          que a idade curvou,
          possam carregar.
          Pode acreditar!

          A sabedoria vem
          com o tempo,
          apregoam.Como vem!
          Se a vaidade fica de lado,
          o ego segue calado.
          O sangue
          para de ferver...
          da manhã ao anoitecer!

          O que importa agora?!
          Trilhar o caminho escolhido
          bem ou mal percorrido
          ou,estagnar-se?
          Mortificar-se... pra que!
          Se o motor,precisa de reparo,
          tudo fica meio-claro...

          Vá atrás do que se agita
          e faz palpitar o coração,
          do que se acredita!
          Corra,corra atrás
          da paixão avassaladora
          que nos impulsiona
          pela vida afora,
          num ritmo perfeito.
         
          Bem e depois?
          Depois?!
          É mero detalhe...
          Não espalhe!
       
                           (março 2017)

quarta-feira, 8 de março de 2017

CONTRA - SENHA - Verônica Mell


Atenas - Grécia


              Seu sorriso trapaceiro
              amado,faceiro...
              Que levado,
              me prende num laço!
              Faço e refaço
              o caminho de volta.
              É, sem-volta ...
              Há nada, além!
              Há nada, porém,
              que nos entretém.

              Um sorriso faceiro,
              trapaceiro...
              Leva-me sorrateiro!
              Mas... primeiro
              uma foto,
              daquilo que noto.
              Se passo, atropelo.
              Se fico,eu duelo
              com a saudade.
              Que maldade!

              No sorriso levado,
              meu doce amado,
              me perdi...
              O caminho não vi!
              Juntos ...
              com mel seja selado,
              nosso passado.
              Meu carinho?
              Aceite!
              O amor, por deleite.
              Amor! Nossa senha
              e... contra-senha !

                               (8 de março de 2017)

segunda-feira, 6 de março de 2017

VIA DE MÃO ÚNICA... Verônica Mell

Praga - Tchecoslováquia


                A vida,via de mão única,
                passa-se por ela sem retorno.
                O que fizer,faça o bem !

                Um leque de escolhas
                se abrem ...
                Mas,as paragens
                nem sempre agradam,
                com suas imagens.

                Há pequenas garoas
                pelo caminho...
                Duros temporais!
                Chove às escuras,
                muitas das vezes.
                Cadê o guarda chuva?!
                Não adianta,
                como se agiganta!
                Quem sai na chuva
                é para se molhar,
                como diz o ditado.

                Ama! Ama muito,
                enquanto há tempo.
                Faz o que o coração
                mandar...  
                Sem medo de errar!
                Na hora nebulosa
                seja singular.
                Há mais é plural,
                no mundo...
                Vai... busca-fundo!

                Lança ao vento
                os paradigmas
                pré-fixados,
                já, pré-moldados.
                Na vida sem razão,
                pode ser a salvação.

                Não deixe nada,
                nada pra depois,
                A volta ao passado,
                no minuto seguinte,
                sonha-se com o futuro.
                Perde-se o foco,
                in loco ...

                De asas soltas,
                dá um passa-fora,
                que tudo melhora.
                Vira passado,
                o ato consolidado.
                Num tempo bem curto
                o agora, será lorota,
                se esgota !
         
                                     (março 2017)
             
     "O que já fiz não me interessa.Só penso
no que ainda não fiz." (Pablo Picasso)

GRITO MUDO - Verônica Mell



Budapeste - Húngria



        Se o coração chora numa prece,
        o grito é mudo no silêncio.
        As lágrimas não correm mais
        pelas faces ...
        O mundo exala o cheiro da dor!

         O coração se solta do peito
         por amar demais...
         É seu defeito!
         Cavalga sem rumo,
         ora calado,ora descontrolado.
         Em resumo :
         nem o inferno,nem o paraíso,
         a vida o escolheu!
         Aos pedaços ou por inteiro
         faz escaladas...
         Abarrotado de lembranças,
         anda por estradas,
         atravessa pontes,
         segue pelas curvas,
         por caminhos ásperos.
         Feridos os sentidos,
         deixa-se levar...
         Há uma voz distante,
         o bálsamo da chuva,
         o dia que finda...
         O quedar-se da melancolia!

                   (março 2017)

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

VENDO O MUNDO PASSAR ... Verônica Mell


Copenhague - Dinamarca


               Nem sempre usamos os pés
               em todas as viagens.
               Há aquelas que nos sentamos,
               e, simplesmente existimos,
               vendo o mundo passar ...
               Creio que são as melhores!

               As cores e os matizes
               que há ao derredor...
               Dias de brilho do sol,
               noutros de chuva...
               O aroma da terra,
               das plantas...
               No ar campesino,
               o cheiro doce das flores,
               o gorjeio dos pássaros.
               A natureza magnífica
               desfilando...
               por vales,montanhas,
               lagos,rios,cachoeiras.
               O misterioso mar,
               a grandiosidade das ondas!
               Da alvorada ao anoitecer.

               Sem esterótipos,
               somos apenas nós.
               A liberdade de ser!
               Uma comunhão plena,
               o encontro conosco,
               diante do inexorável.
               A trama do Universo,
               que conspira a favor!
               E, o que vem depois?!
               Nada,vem depois!

                          (fev. 2017 )

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

VOCÊ NÃO ENTENDEU... Verônica Mell


Manarola - Cinqueterre - Itália




                Deixei os caminhos marcados,
                contei-lhe muitas histórias.
                Quis protegê-lo do mundo!
                Cantei canções,
                 me fiz criança...
                 De alma livre,
                 embalei seu sonho ao meu.
                 Pena! Você não entendeu!

                 Colhi algumas lágrimas,
                 joguei-as ao mar
                 sem pestanejar.
                 Foram incertezas?!
                 Muitas...
                 Dias não ensolarados?!
                 Muitos...
                 Foi um ano! Foram dois!
                 Muitos, muitos,muitos!
                 Pena! Você não entendeu
                 a nossa história,
                 os desafios da vida,
                 os becos sem saída,
                 nos quais algumas
                 vezes me perdi...

                 Nos livros as páginas,
                 as páginas são viradas
                 para serem lidas.
                 Escrevi uma linda,
                 o caminho era de estrelas!
                 Mas a vida sabotou.
                 é não filmou!
                 Que pena...
                 você não entendeu!!!

                              (16/02/2017 )
             

domingo, 12 de fevereiro de 2017

AROMAS E SABORES - Verônica Mell


Recife - Pernambuco - Brasil


                    Quais aromas e sabores
                    o movem?
                    Quais aromas e sabores
                    o espelham?
                    Quais os aromas e os sabores
                    da sua infância?!
                    Se,todavia, não os encontrar,
                    não os deixe de procurar!
                    Nos norteiam pela vida,
                    deixando lembranças...

                    Os aromas e os sabores
                    da juventude, já, finda...
                    Que persistem ainda!
                    Os aromas e os sabores,
                    dos versos meus!
                    Saudosos ...
                    Colados aos sentidos,
                    ao pé dos ouvidos.
                    Agora... em fuga
                    transitória!

                    Aromas e sabores
                    nostálgicos...
                    Debruçados sobre
                    os céus,
                    no ápice dos sonhos,
                    nem sempre tão risonhos,
                    que me levam ao amor.

                    Os aromas e os sabores
                    da nossa história!!!
                    Você se lembra ainda?!
                    Que a visão seja bem-vinda!
             
                                        (fev. 2017)

                     









quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

UM BRINDE - Verônica Mell


Myconos - Grécia



             Amo coisas intensas,
             vivo tudo com paixão.
             Como me apaixono!
             Por lugares únicos,
             pessoas impares,
             aromas e sabores.
             Pelo pôr do sol
             em ato de comunhão
             com a Natureza...
             Sinto-me contaminada
             por sua magnitude!
             Faço um brinde especial
             a essa magia .
             Brindo à Vida!

             Nada pela metade,
             nem meia verdade.
             Amo os momentos,
             tudo que transborda.
             O milagre da vida!
             Um brinde a ela,
             minha querida ...

              O novo projeto
              me consome ...
              não importa o nome!
              Um dia sim, no outro
              também
              apaixono-me por
              alguma coisa .
              Um brinde à Vida!

               Dizem que é loucura,
               acreditar em sonhos!
               Creio em todos eles.
               Longe de mim
               deixá-los ...
               serem refreados.
               Morrem... se ignorados!
               Na efervescência da crença,
               sua essência .
               É o lago, aonde mato a sede.
               Isso me conduz.
               E, faço jus...!
               Um brinde à Vida,
               minha querida!
             
                Às vezes um beco sem saída,
                o amor dá trabalho!
                Segue por atalhos,caminhos.
                Olha bem,escolhe um...
                Minha querida !
                Sorria. Brinde,brinde à Vida!
               
                Mesmo transitória,
                é a tal  felicidade,
                cantada em verso e prosa.
                Melhor tê-la e vivê-la!
                Não deixe...
                o tempo se perder.
                Lembre-se querida,
                um brinde à Vida!

                 Adeus a tristeza
                 em desalinho,
                 adeus a mágoa,o grande
                 rodamoinho de emoções!
                 Adeus ao egoismo que
                 a tudo corrói...
                 Adeus ao desamor
                 que corrompe
                 o bem estar .
                 Novo brinde,querida!
                 Saúde! Santé!
                 A votre Santé!
                 Um brinde à Vida!

                                           ( fev. 2017 )


              " Tenho que ter paciência para
                 não me perder dentro de mim:
                 vivo me perdendo de vista.
                 Preciso de paciência porque
                 sou vários caminhos,inclusive
                 o fatal beco sem saída."
                           ( Clarice Linspector)



   



quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

VOLTO LOGO ... Verônica Mell


Monterosso al Mare - Cinqueterre - Itália



                    Vi coisas tão lindas
                    que aqui vou relatar.
                    Entre lagos e colinas,
                    o sol brilhando no mar!

                    Volto às paragens,
                    mais antigas,
                    de riachos e cachoeiras.
                    Vou correr pelos campos,
                    há flores e perfumes,
                    há nuvens a desenhar.
                    É meia noite agora,
                    aqui, vou repousar.
                    Amor! Eu vou voltar!

                    Vou rever as belezas
                    desse lindo lugar ....
                    As folhagens verdes,
                    a flor de primavera
                    que deixei passar!
                    Da noite estrelada :
                    o sereno ...
                    A magia do luar !
                    Amor! Eu vou voltar!

                   A mim pouco importa
                   os ares d'outro lugar!
                   Um carrocel de emoções
                   pedindo pra eu ficar!
                   Preciso muito...
                   Ah! Eu preciso !
                   Preciso respirar.
                   Aqui venho...
                   venho  me explicar.
                   Ah! Amor!
                   Não posso voltar!!!

                             (fev. 2017)
   
       "Tenho dentro de mim todos os sonhos do mundo"
                            (Fernando Pessoa)

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

AQUELE TEMPO - Verônica Mell

Barra Grande - Baía de Camamu - BA - Brasil
                                                           

                         Lembra daquele tempo
                         da ciranda na rua,
                         do esconde esconde,
                         do passa anel,
                         do jogo de queima.
                         Da flor, o chupa-mel ?!
                         Das fogueiras juninas
                         na rua de terra,
                         assando batatas?
                         A tradição do judas.
                         Ai de mim !
                         Tudo!Simples assim!

                         Lembra do tempo
                         do pé de goiaba
                         e de jabuticaba...?
                         A gente na árvore
                         pegando amora!
                         O vizinho !
                         Corre agora ...
                         Da bicicleta, pelo dia
                         afora. Sem hora?!
                         Da TV na casa ao lado,
                         dos filmes no telão?
                       
                         Lembra da velhinha,
                         dona Terezinha,
                         da nossa rua?!
                         O enorme quintal
                         de terra batida ...
                         nada havia igual!
                         O pombal,os caquis
                         de vários tipos,
                         as ameixas doces
                         e, toda a fruta
                         saborosa...
                         Que ganhávamos,
                         na tarde gostosa,
                         dos longos papos.
                         Ficou nos retratos!

                         Lembra do tempo
                         das guloseimas
                         que ela nos dava?
                         O olho azul brilhava!
                         Em algumas tardes
                         nos chamava
                         para ouvir as histórias
                         do seu tempo...
                         De prata,o cupido pesado,
                         presente de noivado!
                         Como amava a vida,
                         a nossa querida !
                       
                         Lembra quando...
                         vinha seu Joãozinho
                         - era baixinho -
                         do trabalho... Logo,
                         trazia o pão quentinho.
                         E a prosa? Mais...
                         um dedinho!
                         O casal amoroso,
                         nos dando lição,
                         de coração.
                         Sem o saber!

                         Lembra do tempo
                         depois da chuva ...?
                         A arte de  rua,
                         feita de barro.
                         Pés na enxurrada ...
                         Eh! Saudade que dói,
                         só de lembrar!
                         O dia moroso...
                         vai e vem gostoso.
                         As horas a passar,
                         o tempo sem pressa.
                         Que vida boa era essa!!!
                   
                                       ( fev. 2017 )
                 
                               
              In memoriam aos inesquecíveis Seu Joãozinho e
       Dona Terezinha.
                         
                       
                       
                   
                     
                 
                     
                     
                   
                   

             
             
                 
                   
                   
                     


















                   
                   

               

domingo, 29 de janeiro de 2017

QUANTO VALE ?! - Verônica Mell

Londres - Inglaterra


                     Eh! Homem!
                     Quanto vale uma carinha bonita
                     e um corpo moldado no bisturi?!
                     Quanto vale homem?
                     Quanto vale uma mulher sem retoque,
                     que lhe acompanha no dia-a-dia?
                     Quanto vale homem?
                     Quanto vale a que não ofusca as demais,
                     amiga de muitas horas... ?
                     Quanto vale a que lhe escuta os ais?!
                     Quanto vale homem?
                     Você ponderou?
                     Já lhe atribuiu algum valor?!
                     Sociedade consumista!
                     Quanto vale homem a alma
                     e, o espírito?!
                     Quanto vale aquela que ...
                     com você tem uma história?
                     Quanto vale homem?
                     Quanto vale  a que ...
                     construiu uma vida ao seu lado
                     e, lutou pelo seu espaço?
                     Quanto vale um coração?!
                     E aí ...! Hoje,
                     já se olhou no espelho?!
                     Quanto vale seu amor
                     e... a mulher ao seu lado?
                     Quanto vale você?!

                                   (janeiro 2017)



                             

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

ACHO QUE ALGUÉM JÁ DISSE - Verônica Mell

Lisboa - Portugal
             

             
                  Acho que foi alguém,
                  quem disse ...
                  que o amor é de doer!
                  Que canta de alegria,
                  chora de tristeza.
                  Morre de saudade!

                  O sonho desperta,
                  se aninha na manhã
                  que acarinha o dia.
                  Aí... algo acontece,
                  deixa o riso de lado,
                  Morre na dor.

                  Acho que alguém,
                  disse ...
                  Que a tristeza
                  não leva a nada,
                  na sua jornada!
                  Subiu uma ladeira,
                  o amor de brincadeira.
                  Depois da troça ...
                  o fim numa palhoça!

                   Ao longe, o som
                   d'uma cantiga antiga,
                   dedilhada numa viola.
                   Fica à parola...
                   Menina !
                   Esquece desse amor,
                   senta no Beco da Rosa,
                   vendo gentes a passar.

                   Os rapazes no fado.
                   Eh! Hoje é sábado !
                   Espanta os males.
                   Vem menina! Vem!
                   Vem espionar!
                   Entra na roda! Deixa
                   o corpo se achar...


                                    (janeiro 2017)