segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Máscara De Palhaço - Verônica Mell

Parque Reducto - Lima


        O dia é incrível!
        Esqueçamos as amarguras,
        Palhaço das minhas alegrias.
        Recordar... Recordar as piruetas
        Da infância dos meus dias.
        Palhaço de risos loucos,
        Nos momentos poucos,
        Das hilariantes fantasias
        No mundo mágico...
        De outros tempos.
        Dilatando o riso,
        Nos rostos espantados,
        Ao lamber o chão vezes tantas,
        Tantas vezes... Incontáveis.
        Pródiga" figura de palhaço!"

       Sua máscara de pintura
       Tem a alma mais pura
       Que gostam meus olhos
       De ver...
       A gente aqui,pode crer,
       Não pinta as faces.
       Mas cria não nasce,
       Com máscaras...
       Tão naturais
       De pobres mortais!
       Máscaras de amor
       Em faces de desamor.
       Máscaras de amigo
       Em faces de inimigo.
       Máscaras de candura
       Em faces escuras.
       Máscaras de encanto
       Em faces de desencanto.
       Máscaras de lirismo
       Em faces de egoísmo.

      Sabe palhaço,
      Criamos nossas máscaras
      Com o tempo.
      Sem perceber,
      A criança de todos nós
      Começa a morrer.
      Perde-se o viço,
      O sonho,a esperança,
      A bravura quixotesca;
      A simplicidade do amor.

     E são máscaras tantas!
     Máscaras mil.
     Máscaras inúteis,
     Máscaras patéticas!
     Algumas máscaras ,
     Mascaradas num contexto,
     Sem máscara-texto.
     A encenação...
     De máscaras coradas
     Em faces desbotadas,
     Para uma platéia
     De  MÁSCARAS EMOCIONADAS
     EM FACES SEM NADA!!!

                 (do livro "Retrato,Breve Como o Vento"- Verônica Mell - 1996)

Nenhum comentário:

Postar um comentário