quarta-feira, 16 de agosto de 2017

A Borboleta - Verônica Mell



             A borboleta azul da infância
             acorda a minha criança!
             Vou eu pelos campos...
             deitar-me na relva molhada.
             Desperta as alegrias antigas,
             atiça as lembranças perdidas.
             O que voou... voou.
             Não, não volta mais!

              Aquela menina  cresceu,
              dos amigos se perdeu.
              Imutável destino!
              Sonhos,devaneios...
              Beijos e abraços.
              Nós cegos...  Laços.
              Sede de amor...
               Amor! Muito amor!
         
               No tempo de agora,
               abre a porta, lá fora
               vê tudo o que ecoa
               dum tempo que voa.
               Insolúvel ...
               Céu de estrelas distante
               mas, segue adiante.
               O dia partiu...
               E, o que se ouviu
               foi uma mensagem
               gostosa de saudade,
               da velha amizade.
               Uma certa dose
               de metamorfose!
             
                                  (agosto 2017)
               
               

terça-feira, 1 de agosto de 2017

O Fio da Meada - Verônica Mell





Meteora - Grécia


                      O fio embaraçou-se
                      todo... soltou-se
                      da bola da meada.
                      A geada...
                      matou o tempo!
                      Com tempo,
                      seu passo
                      dividiu o espaço.

                       A tristeza, jaz de susto.
                       Largou o espanto!
                       Calou o grito,
                       secou o pranto.
                       Tirou o mal do bem.
                       Amém!
                       Desenhou a alegria,
                       em contorno bem feito.
                       Contrafeito...
                       Tudo de repente,
                        a sua frente.
               
                        Na tarde azul,
                        lembrou da música,
                        dançou como o grego.
                        Listou os projetos...
                        Pra lá, o que não presta!
                        Largou a saudade...
                        Adoçou o amargo.
                        Uma nova meta :
                        vestiu-se de sonhos
                         Acordou poeta!!!

                                       (julho /2017)

sábado, 15 de julho de 2017

E... Alguém Perguntou - Verônica Mell

Colmar - Alsácia - França


                     E... os sonhos?
                     São muitos.
                     E... a alegria?
                     Descubro dia-a-dia.
                     E... a tristeza?
                     Morre de braveza.
                     E... a mágoa?
                     Afoguei-a na lagoa!

                     E os amores?
                     Guardei-os sem dores.
                     E os sentimentos?
                     Bem profundos!
                     E as recordações?
                     Mudam de feições.
                     E os retratos?
                     Sem maus-tratos.

                     E a maior mentira?
                     Uma vida perfeita.
                     E a maior verdade?
                     Ser Feliz! Hoje!
                     E as canções?
                     Doces lembranças.

                     E... a vida?
                     Carrega-me nos braços.
                     E ... o amor?
                    Trago no coração!
                     E... o que se busca?
                     Um caminho ...
                     E... o que se deseja?
                     Ser Feliz!

                     E o tal poeta?!
                     Segue seu caminho
                     - pausa para um cafezinho
                     Só um esteta ...
                     que pensa que é profeta!
                     E o que nos salva então?
                     O Amor de Verdade!
                     E o que nos mata?
                     Ah! A Velha Saudade!!!
                                         
                                           (15/07/2017)

             
               
                       
                 

terça-feira, 18 de abril de 2017

Ao Universo - Verônica Mell

Londres - Inglaterra



           Emocionada
           agradeço
           a vida e seu reverso
           no Universo.
           Um plano de Deus!
     
           Nem tudo é grácil
           e... nem muito fácil.
           Um malabarista
           equilibrando-se,
           assim somos nós.
           Ora ditosos...
           ora,chorosos!
         
           Arrependo-me?
           Bem pouco,
           quase nada!
           Nem sempre
           se acha o caminho.
           Quem é adivinho?
           - na primeira vez -
           Insensatez...?!

           Embalei os sonhos
           nos versos do poema.
           Fiz uma aliança
           e... a poesia avança,
           acolheu-me nos braços.
           Quão fortes nossos laços!
           Era possível ...
           considerável e tangível.

           Em nova etapa...
           vou pegar o mapa,
           volto num segundo.
           Conhecer o mundo!
           Ir sempre mais além...
           Embala os sonhos meus,
           o desconhecido enxerido.
           Desafiante! Intrigante!
         
           Tudo se abrevia,
           em passo mutante.
           Há de se partir um dia,
           seja agora ou adiante!
           Agradeço a tudo...
           que sempre conspira
           a favor e, alumia a vida,
           quando se faz dormida!
   
                                     (18/04/2017)

domingo, 26 de março de 2017

Banco De Jardim - Verônica Mell


Montmartre - Paris - França



         Lembranças me levam
         em seus braços...
         numa rua sem-fim!
         No carrocel, ao meu lado,
         fico tonta de girar assim.

         Ora sorrindo alegres,
         ora viram um motim.
         Bem! Sem motivo
         perceptivo. Enfim...
       
         Vejo-as e as observo.
         Soltam-se em avenidas,
         por pitorescas vielas,
         saltam num trampolim.
         Sento-me junto a elas,
         todas olhando pra mim!

         Há uma ciranda de roda,
         estrelas cintilam no céu.
         No beco cheio de música,
         a luz da Lua surge na rua.
         O vento,em atuação,
         desfolha as árvores,
         com um suave farfalhar.
         Diluí-se a solidão!

         Na paisagem lírica
         da volta,revelação :
         a alma beberica
         um perfume de jasmim.
         A lembrança se reencontra,
         sim,menos desolada...
         no banco do meu jardim!
       
       
                    (março 2017)

domingo, 12 de março de 2017

Sem Explicação - Verônica Mell

Chateau de Chillon - Suiça



             Vem sem explicação
             na tarde repousante,
             quieto,calado...
             expulsa essa solidão!

             Vem sem explicação,
             sussurra baixinho,
             cheio de ternura...
             Palavras de amor!

             Vem sem explicação,
             não quero saber
             de lugares aonde...
             não estava com você!

             Vem sem explicação.
             Pra que saber do sol
             que acariciou sua pele, 
             da brisa que o embalou
             ou, da noite intensa
             que voou em sonhos!

             Vem sem explicação,
             pra que eu possa
             me sentir única e,
             por inteira...
             A fonte da sua sede,
             tudo o que o inspira
             e o presente,
             por eu existir, no agora,
             em sua vida....
             Sem mera explicação!
             
                        (março 2017)


Escolhas - Verônica Mell

Montreux - Suiça



   
          Os anos que passam,
          deixam a filosofia clara.
          Nunca se é bom
          o suficiente,
          nem se faz o bastante,
          do que se espera de nós!

          Como num jogo,
          uma peça por vez.
          Um quebra cabeça
          ou sei lá o quê!

          Os certos,os errados
          e, os" tem que" ...
          Esses pesam além
          do que os ombros,
          alguns mais jovens,
          outros ...
          que a idade curvou,
          possam carregar.
          Pode acreditar!

          A sabedoria vem
          com o tempo,
          apregoam.Como vem!
          Se a vaidade fica de lado,
          o ego segue calado.
          O sangue
          para de ferver...
          da manhã ao anoitecer!

          O que importa agora?!
          Trilhar o caminho escolhido
          bem ou mal percorrido
          ou,estagnar-se?
          Mortificar-se... pra que!
          Se o motor,precisa de reparo,
          tudo fica meio-claro...

          Vá atrás do que se agita
          e faz palpitar o coração,
          do que se acredita!
          Corra,corra atrás
          da paixão avassaladora
          que nos impulsiona
          pela vida afora,
          num ritmo perfeito.
         
          Bem e depois?
          Depois?!
          É mero detalhe...
          Não espalhe!
       
                           (março 2017)