sábado, 27 de fevereiro de 2016

QUEM SABE - Verônica Mell

Paris - França

           É... Quem sabe ?!
           De amor,
           um dia tão pobre,
           você descobre,
           que não me tem mais
           e, grita seus "ais"!

           Aí, quem sabe,
           o que era fugaz,
           se acabe...
           Vê o amor destruído
           de coração partido,
           percebe os sonhos
           que não sonhou!

          Aí ,quem sabe,
          desperta e se abre
          pra amar de verdade!
          Agora ?! ...
          O pior,já, passou.
          Perdeu a referência...
          e, o castelo desabou.
          Só... turbulência!

          Aí... você sabe...
          Findou-se meus "ais".
          e... você acordou
          bem tarde...
          Tarde demais!!!

                              (junho 1989 - fev. 2016)
   

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

ANABELA (POESIA INFANTIL) -Verônica Mell

Copenhague - Jardim Botânico

     
          Quem é aquela?!
          Será mesmo ela,
          a tal, Anabela?
          - Pergunta da ruela,
          a moça com cautela.

          A menina magricela
          come na gamela...
          Que grande tagarela!
          Vai, limpa a janela.
          dá brilho na panela.
          Tira a chinela,
          dá outra penteadela,
          arruma a fivela!

         Abre a portela,
         corre como gazela
         até a passarela.
         Outra mordidela,
         no pão de mortadela.
         O dedo, ela mela
         e, dá uma lambidela.
         No chão se estatela,
         lendo fotonovela!
         Dá uma grunhidela,
         quebrou a goela.
         Grita, se escabela...
         mas, ninguèm dá " trela"
         prá ela ...
         Pobre Anabela... !!!

                              ( março 2013)

ALAMEDA - Verônica Mell

Copenhague - Jardim Botânico

             Ai de mim...
             andando pela tarde,
             lembrei do poeta
             na flor molhada.
             Lembrei do poeta
             de alma lavada.
             Festim amorável
             de benquerença,
             Sem crença !
             Da despedida,
             veio a partida.

             Ai de mim !
             Lembrei do poeta,
             por excelência.
             A dor pungente
             mostrou-se indolente.
             O amor escasso,
             no descompasso.
             Sem guardião...
             chegou à extinção.
 
             Ai de mim!
             Pela alameda,
             na dança das horas,
             ao findar do dia!
             Na rosa carmim,
             lembrei do poeta.
             Lembrei de mim
             na tarde quente
             do seu jardim...
       

                        (abril 2012)
     
   
                     

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

AMOR MORIBUMDO - Verônica Mell

St. James's Park - Londres


             Acabou-se
             e... partiu.
             O amor que sumiu.
             A paz não havia
             na falsa alegria.
             Sem gritos ...
             nem conflitos.
             Amor meu :
             desamou você e eu.
             A saudade carente
             postou-se de repente,
             foi pega desprevenida.
             Assim é a vida ...
             que nada poupa.
             Tudo à queima-roupa!
             Da verdade sem rumo,
             o supra-sumo.
             Hilário...
             sem horário!
             O tal... amor,
             o amor moribundo,
             vira... Virou,
             vira-mundo!!!
       
                                     (fev. 2016)

         
           "Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa.
                 Não sou alegre, nem sou triste,sou poeta ."- Cecília Meirelles

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

SERÁ DESIGNO - Verônica Mell

Costa Amalfitana - Sorrento

                Sozinho, o coração
                esqueceu a canção.
                Perdeu-se silente,
                bem pouco contente.

               Voou ao vento
               sem um acalento.
               Vestiu-se de lua,
               perdeu-se na rua.

               Sofreu de saudade,
               na imensidade...

               Triste,triste!
               A tristeza insiste,
               andar a seu lado.
               O coração calado,
               na noite sombria,
               percebeu a idiotia.

               Morreu e,não viu
               o amor que partiu.
               Foi-se o sonho...
               O dia risonho!

              Houve tanta doideira
              no tal amor sem eira,
              que o coração a mil
              partiu-se em abril !
              Ah! O amor maldigno,
              cumpriu seu designo?!

                                      (fev. 2016)

       

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

APENAS LEMBRANÇAS - Verônica Mell

Trouville - Normandia

             Um furacão de saudades
             Arrasou coração meu.
             Em abismos de verdades,
             Morre amor que era só seu.

            Agora,bem pouco resta...
            Das flores deste jardim.
            Tudo que antes era festa,
            Terminou... chegando ao fim.

            Outros são nossos caminhos,
            Alvorecer de ventura !
            Arranquemos os espinhos.

           Antigos do desamor.
           Nada resta da ternura...
           Ah! Meu pobre anoso amor!

               (do livro :" Retrato, Breve Como o Vento", Verônica Mell - 1996)

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

SEGREDO - Verônica Mell

Honfleur - Normandia


            Num dia de tristeza,
            joguei a saudade na rua!
            Em última instância,
            corri para a praia
            e, larguei o que era
            sem importância!

            Conto aqui um segredo:
            Quando ele chega
            seduz-me com flores,
            me olha de esguelha,
            sussurra na orelha!

            Chega a tempo,
            da saudade não matar!

            A manhã foi tão dura,
            mas é tanta doçura...
            Que o amor lento flui,
            o que era triste...rui.

            Tudo é sem censura,
            mas tamanha a lisura,
            do seu corpo no meu,
            que o amor floresceu!

            A emoção acumulada,
            aumentou-se do nada.
            Ficamos assim ,
            ele olhando prá mim.
            Numa envolvente
            ternura inocente ...

                             (fev. 2016)


         

sábado, 13 de fevereiro de 2016

ALMA GÊMEA - Verônica Mell

Ilha de Capri - Itália
       

             A alma, gêmea da minha
             bebeu da  água da fonte.
             Escalou a mais alta montanha,
             banhou-se nos luares da noite
             e, vestiu-se de prata luzente.
             Cantou o amor em dueto,
             estreou num palco de estrelas.

             Essa alma, gêmea da minha,
             desfilou na aurora do dia,
             semeou o amor num abraço.
             Arrancou-me os pés,
             do chão frio...
             Virou-me toda do avesso!
             Fiquei sonhando acordada,
             perdi o rumo da estrada...

             A gêmea, alma da minha,
             do final da tarde : é a musa.
             Sem alarde, o encanto
             e enfeite da vida...
             Traz a lua, desperta o sol,
             alarma os pássaros
             mas, não finca raízes...
             Acorda e me dá : - Bom dia !
             E, o que mais ?! - diz você .
             Bem... eu mereço:
             amor e carinho.
             De mal nenhum,eu padeço!!!
   
                                        (fev. 2016)
         
                           
     
   

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

SOBRE O MURO - Verônica Mell

Ilha de Capri - Itália



               Andei pensando,
               naquilo que passa,
               no amor desamando,
               no que prende e laça,
               na história mais doce.

               Andei pensando :
               No beijo não dado,
               na brisa que abraça,
               no ruído lá fora...
               No que o mar levou!
               No canto...
               do canto d'alma!
               Na mão que espalma
               vazia... Tão triste!

               Andei pensando...
               Na boca que fala,
               repete seu nome,
               e, escuta o eco
               no fundo do vale.
               Perdeu seu prumo,
               viaja sem rumo!
               E o sonho ?!
               Dormiu no escuro
               por sobre o muro ...

                                   (fev. 2016)
   
       

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

ENGANO - Verônica Mell

Paris - França


                   Louca ,te amei.
                   Deixei de ser eu.
                   Não vi a mim.
                   Vi em ti o rei,
                   Meu senhor!
                   Construí castelos,
                   Vivi neles...
                   Meus sonhos de amor.

                   Só voltei
                   Olhei tudo...
                   Um grande vazio!
                   Vi em ti o deus
                   E,nem reino tinhas.
                   Olhei outra vez
                   E, encontrei a mim.
                   Eras um passante,
                   Simples caminhante.
                   Enganei-me :
                   NÃO ERAS NINGUÉM!!!

      ( do livro :"RETRATO BREVE COMO O VENTO "- Verônica Mell -1996 )