terça-feira, 1 de agosto de 2017

O FIO DA MEADA - Verônica Mell





Meteora - Grécia


                 Era um fio que
                 embaraçou-se todo,
                 soltou-se da bola
                 da meada...
                   
                 A geada matou o tempo
                 e a relva do lugar.
                 Com tempo,
                 seu passo
                 dividiu o espaço.

                  A tristeza, jaz de susto,
                  deixou o espanto,
                  calou o grito,
                  secou o pranto.

                  Separou-se o mal e o bem.
                  Amém!

                  Desenhou-se a alegria
                  em contorno bem feito,
                  mais-que-perfeito!
                  Tudo de repente,
                  a frente.
               
                  Na tarde azul
                  lembrou da música.
                  Dançou como o grego,
                  iluminando os olhos...
                  num faiscar de saudade!

                  Listou os projetos.
                  Xô! O que não presta!
                  Cantou e cantou e cantou
                  e.. .adoçou o amargo.

                  Debruçou-se na nova meta,
                  vestiu-se de sonhos.
                  Acordou poeta!!!

                                       (julho /2017)

       "Vivo nas estrelas poque é lá que brilha minha alma."
                                (Manoel Bandeira)

Nenhum comentário:

Postar um comentário