segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

SINFONIA - Verônica Mell





 
           Era um dia azul.
           Nós dois na rua
           de mãos dadas
           num dia qualquer.
           O amor de ontem,
           agora sem laço,
           num lento passo.
   
           Perdeu-se...
           na sinfonia muda,
           dum tempo longe
           que não comove mais.
           Sinfonia esquecida
           nos sonhos...

            Sem público !
            Sem motivo!
            Sem escândalo!
            Constatei um azul
            desbotado...
            num tempo ausente.
            Sem amor!
            Sem sintonia!
            Sem personagem,
            algum, presente!
       
   
                                 (nov/2017)

domingo, 24 de dezembro de 2017

ALMA CIGANA - Verônica Mell



Puerto Varas - Chile


       Oh!Alma cigana!
       Que pousa no sonho do poeta.
       Voa... Voa mais alto!
       Ora dormita,
       ora perde-se em longos passeios.
       Não se fixa em lugar algum,
       continua sua jornada...
   
       Oh!Alma cigana antiga!
       Que aprisiona meu coração
       em Vilarejos e Pórticos.
       Faz-me beber dos sonhos!
       Prisioneira fico
       e, cativa do Belo!

       Oh!Antiga alma minha!
       Minha alma cigana
       que dança por séculos.
       E caminha... caminha
       por lugares únicos.
       Imagens em CinemaScope!

       Oh!Minha antiga cigana!
       Alma minha,arco-íris
       de mil cores...
       Salva-me da razão,
       veste-me de dourado.
       Explode de pura emoção!
       Vem bailar comigo e,
       transcender o momento
       num rodopio! Dançar...
       E dançar... além do tempo!

                      (24/12/2017)

   

domingo, 3 de dezembro de 2017

CONTEMPLAÇÃO (Glaciar Perito Moreno ) - Verônica Mell)




Glaciar Perito Moreno - Patagônia Argentina

        Impactante!Único!
        Milagre que se anuncia
        ora calado,ora ruidoso.
        Pomposo!Singular
        no palco da natureza!
        A cada vez a emoção
        nos fala mais e mais,
        ecoa na alma ...
        Há um quer que seja
        de plenitude!
        Dilui-se o superficial,
        um banquete da fusão
        dos seres,creio eu!
        Nos rostos a felicidade
        da contemplação,por ora,
        maior que dos anseios
        que dormitam num oásis
        bem mais longínquo...
        Na plenitude do simples
        encantamento: o silêncio.
        Cala-se a mente,
        deixa-se fascinar ...
        Religa-se ao Universo!

                                     (03/dez/2017)

sábado, 21 de outubro de 2017

CHEIRO DE SAUDADE - Verônica Mell

Parati - Rio de Janeiro - Brasil


        A saudade grita,
        pouco a pouco,
        fala do amor louco.
        Com um "quê"
        de não quer nada.
        Acorda o arrepio
        do corpo colado,
        sussurra ao ouvido.
        Dá um beijo molhado.
   
        Uma saudade
        com cheiro do ar
        que exala do quarto!
        De todo nosso êxtase
        compartilhado.
        Da roupa misturada,
        do abraço apertado.
        Do bom dia!Dia!
        - com sabor de café!
     
        A gostosa saudade
        da poesia do lugar!
        Da sineta da porta,
        do ruído da rua,
        do banco da praça...
        e, até de quem passa!
        Da luz das estrelas,
        da cheia lua...
        Daquela que se perde
        e se acha em você!

        Saudade... bem maior
        da mulher tão ingenua,
        mais livre que já fui!
        Da nossa alquimia,
        de toda a magia
        da troca! Do ser!
        Do amor...
        do nosso bem-querer!
     
     
                     (outubro 2017)
 
         



   

terça-feira, 10 de outubro de 2017

NOITE DE LUA - Verônica Mell



Amalfi - Costa Amalfitana - Itália



     Um cheiro de mar
     trazia a canção
     em ondas calmas.
     O voo das gaivotas
     no céu azul.
     Ao longe brincavam
     as almas,
     sem tropeços, livres.

     A estação conspirava,
     com a aquarela colorida
     e, seu pincel antigo
     tingia a paisagem...
     - cena idílica,nostálgica.
     Desceu a serra,
     sem se fixar
     em lugar algum.

     Chegou e partiu
     sem um abraço,
     pousar sabe onde?!
     Sem embaraço...
     Veio outro você
     perder-se em mim,
     trazendo flores
     no braço...

     Embarcamos nós,
     numa doce jornada!
     Vou confessar,
     era noite quente,
     a lua invejosa
     vinha nos espiar
     sem maldade.
     Outro alguém?
     Um novo contexto?!
     Sim! Bem...!
     Outro você ...
     aconteceu em mim!
   

                         (outubro 2017)
   
   


 

   



   
   

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

QUADRO DE EMOÇÕES - Verônica Mell


Rouen - Normandia - França       

         Moço bonito,
         Moço pintor!
         Pinte uma tela
         Só de nós dois.
         Pinta a emoção
         Que se acerca de mim.
         Os sussurros,
         Os gemidos
         E... o êxtase!
         Nossos sentidos aguçados,
         Novos ângulos explorados,
         Pinta a malícia
         E... toda a delícia
         Que vem depois.

         Moço bonito,
         Moço pintor!
         Deixe em aquarela
         Nossa liberdade.
         Pinte tudo,
         Mas, não pinte a saudade!!!

                ("Retrato,Breve Como o Vento"- Verônica Mell"- 1996)

LÁ VOU EU - Verônica Mell



Portofino - Ligúria - Itália



               Lá vai você,
               lá vou eu...
               apaixonados por bosques,
               folhas, flores e perfumes.
               De mãos dadas por estradas
               na manhã sorrindo,
               na tarde que vem vindo,
               na noite que aparece...
               No dia que amanhece!

               Em noites de inquietação
               uso chinelas de sonhos,
               caminho por estrelas,
               converso com a lua.
               O poema é o confidente
               em boas ou más horas.
               Nunca falta!
               Nunca mente!

               Se em dado momento
               tudo parecer sem sentido,
               uso um manto azul
               e, como os loucos
               saiu correndo
               atrás dos sonhos,
               por vielas sem luz.
               Bem aceso,nas mãos,
               um lume! Lá vou...
               Ah! Como eu rio!
               Do mundo, esqueço o dano,
               vou cantar o amor docemente.
               Sei que não é por engano,
               faz parte de mim... Somente!!!

                                          (setembro 2017)